Ponte confia nos jogos em casa

Único time classificado para as semifinais do Campeonato Paulista da Série A-1, a Ponte Preta faz planos para terminar a fase classificatória em primeiro lugar. O objetivo, da diretoria e da comissão técnica é garantir futuras vantagens nos confrontos decisivos, mas a confiança no estádio Moisés Lucarelli é tão grande que não há nenhum temor com relação aos próximos adversários dentro do Paulistão."Quem busca o título paulista não pode tem medo de ninguém. Mas o respeito é primordial, desde o time mais simples ao mais poderoso", pondera o técnico Nelsinho Baptista, que valoriza muito o trabalho psicológico realizado com o elenco desde o ano passado. "Passamos aos jogadores a confiança para enfrentar qualquer adversário de igual para igual", completou.O técnico evita comentar a preferência sobre seu adversário na semifinal, mas admite que a arrasadora recuperação do Corinthians é um fator preocupante porque "é um time de chegada e conta com o fator torcida", lembra Nelsinho, que levou o Corinthians ao inédito título brasileiro de 1990. Mas ele acha que existe um equilíbrio muito forte entre os outros clubes que buscam a classificação, como os grandes São Paulo e Santos, e São Caetano e Rio Branco que representam a força do interior.A diretoria também já traça planos para as semifinais. E não teme o fato de que, a partir desta fase, os mandos de jogos pertencem à própria Federação Paulista. "É um critério adotado em anos anteriores pela Federação, mas não existe nada no regulamento qu e impeça a Ponte de sediar jogos em seu estádio", antecipa o vice-presidente de futebol, Marco Antônio Eberlim.Segundo o dirigente, o regulamento não coloca objeção ao Moisés Lucarelli nos principais aspectos, como capacidade, distância e segurança. Mas não há como negar a superioridade da Ponte em seu estádio, onde o time conquistou sete vitórias e apenas um empate neste Paulistão. A última derrota do time aconteceu há 150 dias, diante do Fluminense, por 4 a 3, pela Copa João Havelange.Aproveitando o alto astral vivido pelo líder isolado do Paulistão, há a perspectiva de que algum jogador esteja na relação de convocados para a seleção brasileira, na próxima sexta-feira. Um dos cotados é o volante Mineiro, chamado pela primeira vez ano passado, quando ficou na reserva do jogo do Brasil contra a Colômbia, no Morumbi. Outro nome muito comentado é do centroavante Washington, artilheiro do Paulistão, com 12 gols, e artilheiro da Copa do Brasil, com cinco gols. Nessa onda positiva, até o meia Piá, renegado do Santos, mantém a esperança de ser lembrado pelo técnico Émerson Leão.É neste clima de total confiança e esperança que a Ponte Preta se apronta para o jogo contra o União Barbarense, domingo, em Campinas. O time espera outra vitória para chegar aos 31 pontos e consolidar a primeira posição nesta fase. Depois vai lutar diretamente pelo inédito título paulista, que já esteve tão perto em outras oportunidades. A Ponte já foi vice-campeã estadual quatro vezes, em 1970, 1977, 1979 e 1981. É mais um tabu a ser vencido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.