Ponte, de novo, em estado de alerta

O inesperado empate da Ponte Preta com o Mogi Mirim, por 3 a 3, no Majestoso, em Campinas, deixou o time campineiro em alerta. A preocupação em fugir do rebaixamento ainda existe e o time prolongou este objetivo para os últimos quatros jogos que restam para o término do Campeonato Paulista. A Ponte soma 18 pontos, ocupa a 14ª posição, e na quinta-feira vai enfrentar o Atlético, em Sorocaba, vice-lanterna e muito ameaçado pelo descenso à Série A2. Para o técnico Vadão, "nesta reta final todos jogos têm a mesma importância porque cada time corre desesperado atrás de seu objetivo". No último jogo, o Mogi Mirim buscava a reabilitação de uma seqüência de três derrotas. Agora o Sorocaba vai tentar vencer em casa para respirar na competição. A comissão técnica calcula precisar de mais quatro pontos para se ver livre da zona de perigo. Vadão reconheceu que o time falhou na marcação e que sofreu três gols em apenas um jogo, contra um gol sofrido nos últimos quatro jogos. Ele, porém, não quis colocar a culpa em cima dos substitutos dos titulares, o zagueiro Galeano e o meia Harison, que desfalcaram o time por terem três cartões amarelos. "Temos que analisar o grupo, que vence ou perde jogos. Não podemos culpar um ou outro pela derrota", comentou. Os titulares, no entanto, devem voltar na quinta-feira, respectivamente, nos lugares de Gustavo e Rafael Rodrigues.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.