Ponte e Flu reduzem preços de ingressos

A idéia de elitizar o futebol brasileiro parece não ter sensibilizado dirigentes da Ponte Preta e Fluminense, clubes que tentam desesperadamente fugir ao rebaixamento. Tanto que não hesitaram em trilhar o caminho contrário e baixar drasticamente os preços dos ingressos para a rodada decisiva do campeonato.Para o jogo contra o Fortaleza, domingo, às 16 horas, no Estádio Moisés Lucarelli, a Ponte espera contar com o apoio de 20 mil torcedores. O time ainda não venceu em casa no segundo turno e precisa quebrar um tabu de 154 dias - são sete derrotas e quatro empates - para se manter na divisão de elite em 2004. Por isso, a diretoria promete repetir a promoção dos últimos jogos e manter o preço dos i ngressos em R$ 5, como já havia feito contra o Santos (14.441 pagantes) e São Paulo (10.862), os dois maiores públicos este ano. Em ambos os confrontos, a diretoria garante que teve superávit.Quinze mil ingressos devem ter preço promocional. Os cinco mil restantes serão destinados a cadeiras especiais e numeradas, respectivamente, a R$ 10 e R$ 20. Já o setor reservado à torcida visitante tem bilhete ao preço de R$ 15.No Fluminense, a declaração do diretor da Globo Esportes, Marcelo Campos Pinto, defendendo a elitização do futebol, não foi bem recebida. O Tricolor carioca vai enfrentar o Juventude, domingo, e também faz promoção para atrair torcedores."O brasileiro já vive sem dinheiro. Aumentar o valor dos ingressos somente serviria para espantar ainda mais o torcedor dos estádios", afirmou o presidente do Fluminense, David Fischel, frisando ser totalmente contrário à elitização. "O futebol no Brasil é diferente dos outros países. Assim como o comportamento da torcida. Tal atitude não daria certo por aqui." O dirigente também descartou a possibilidade de uma "virada de mesa", caso o Fluminense caia para a Série B. Porém, frisou que fará tudo ao seu alcance para evitar o descenso. "Este é o jogo mais importante em toda a minha administração. E precisamos do apoio da torcida." Para tanto, além de manter o preço com desconto, a diretoria aumentou a carga de ingressos, que costuma ser de 25 mil, para mais de 50 mil."Queremos todos os tricolores presentes no Maracanã para ajudar a equipe neste momento delicado", declarou Fischel.A cadeira especial custará R$ 25; a cadeira branca, R$ 10, as verdes e amarelas vão ser vendidas a R$ 5 cada; a geral, a R$ 3; e a cadeira comum poderá ser comprada por R$ 5. Vale tudo para atrair a torcida e evitar que o passado volte a assombrar o Fluminense. O time foi rebaixado por duas vezes consecutivas para a Segunda Divisão (em 1996 e 1997) e ainda caiu para a Série C, em 1998.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.