Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Ponte e Guarani: os piores ataques

Guarani e Ponte Preta realizam no próximo domingo, no estádio Brinco de Ouro, mais um dérbi de Campinas. Em toda história, já aconteceram 179 confrontos entre os dois times da cidade. Além da rivalidade gerada em 92 anos de disputas, o duelo de número 180 vai opor os dois piores ataques do Campeonato Brasileiro, com apenas 31 gols cada.No Guarani, além do ataque fraco, o time ainda está na lanterna do Brasileiro, com 34 pontos, correndo sério risco de rebaixamento. O consolo é que vem de boa vitória sobre o Cruzeiro, por 2 a 0.A Ponte está em melhor situação no campeonato - com 53 pontos, é a 9ª colocado. Mas, depois de ser goleada pelo Santos, por 4 a 0, a equipe também virou a dona do pior saldo de gols do Brasileiro: 24 negativo.Os goleadores - Os dois últimos dérbis foram de vitórias ponte-pretanas, coincidentemente por 3 a 1, consagrando os atacantes Dário Gigena, herói em 2003 ao marcar três gols, e Weldon, que também fez três em 2004.Nesta temporada, Weldon é o artilheiro da Ponte, com oito gols, embora já não faça mais parte do elenco há um mês - ele foi para o futebol árabe. Do lado do Guarani, o veterano Viola, aos 35 anos, é o principal artilheiro, com 10 gols.Preparação - Na semana do dérbi, o Guarani preferiu apostar na superstição. O time viaja nesta terça-feira novamente para Serra Negra. Assim, repete o expediente da semana anterior à vitória sobre o Cruzeiro.O técnico Jair Picerni poderá contar com o retorno do zagueiro Carlinhos, que cumpriu suspensão automática. Em contrapartida, os meias Harison e Valdeir estão contundidos e são dúvidas.Na Ponte Preta não há nenhum jogador contundido. As novidades são as voltas do zagueiro Luís Carlos e do atacante Júlio César, que estavam suspensos. Sem dinheiro em caixa, o elenco vai treinar mesmo na cidade, devendo apenas antecipar a concentração par a sexta-feira.Mas os jogadores e, principalmente, o técnico Nenê Santana vão ser obrigados a conviver com a pressão natural provocada por três derrotas consecutivas no Brasileiro, para Cruzeiro, São Paulo e Santos.

Agencia Estado,

18 de outubro de 2004 | 18h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.