Ponte e Marinho perto de acerto para evitar dívida milionária

Jogador quer contrato de dois anos para retirar ação na justiça trabalhista, no valor de R$ 34 milhões

13 de fevereiro de 2008 | 18h54

O assunto Marinho ainda não foi definido pela diretoria da Ponte Preta. O presidente Sérgio Carnielli ainda tenta um acordo com os advogados do zagueiro, que cobra, na Justiça, R$ 34 milhões do clube campineiro - dívida trabalhista referente ao período em que atuou pelo clube, de 2002 a 2004 - e a resposta definitiva deve sair no final desta semana. Entre Marinho e Ponte Preta está tudo acertado, faltando apenas o aval do empresário do atleta. A vontade do zagueiro é deixar de lado a cobrança judicial e receber um salário acima da média - ganharia cerca de R$ 70 mil pelos próximos dois anos de contrato firmado.Alheio à negociação, o técnico Sérgio Guedes vai montando a equipe que enfrenta Guaratinguetá no sábado, em confronto que vale a liderança do Paulistão. Na terça feira, ele acompanhou a vitória do adversário sobre o Rio Claro. Para o duelo, ele terá o lateral-direito Eduardo Arroz e o volante Bilica, suspensos pelo terceiro cartão amarelo.

Tudo o que sabemos sobre:
Ponte PretaMarinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.