Ponte, em jogo chave, só admite vencer

Ameaçada pelo rebaixamento desde as primeiras rodadas do Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta priorizou alguns jogos considerados "chaves" na luta para não voltar à Série B. O confronto contra o Fluminense, nesta quinta-feira, às 20h30, no Majestoso, em Campinas, é um deles. Para o time campineiro, só há um bom resultado: a vitória. Os próprios jogadores voltaram a acreditar em suas forças após a goleada sobre o Vitória, por 4 a 1, em Salvador. O time saltou para a perigosa 22ª posição, mas com a esperança de encontrar o caminho para se manter na elite nacional. Nos planos estão as vitórias sobre o Fluminense e também diante do Bahia, domingo, de novo, em Campinas. "Em casa, com o apoio da torcida, nós temos mesmo a obrigação de vencer. E vamos lutar até o fim", promete o técnico Abel Braga que costuma errar nas substituições durante o jogo. Ele é apontado como responsável por alguns tropeços dentro de casa, como no empate de 4 a 4 com o Paysandu, quando a Ponte chegou a estar vencendo por 4 a 2, e depois no empate de 3 a 3, quando vencia por 3 a 1. Mas no último confronto em Campinas, pelo Brasileiro do ano passado, o time carioca se deu melhor, vencendo por 3 a 2 e garantindo vaga para a segunda fase. Há ainda outra lembrança ruim deste jogo, no qual o volante Roberto foi expulso e, posteriormente, julgado à revelia e suspenso por dois jogos. A Ponte voltou a errar ao escalar o jogador irregularmente nos dois primeiros jogos desta temporada, no empate de 1 a 1 contra o Internacional, em Porto Alegre, e na vitória de 1 a 0 sobre o Juventude, em Campinas. Resultado: perdeu quatro valiosos pontos no STJD do Rio de Janeiro. Coincidentemente, Roberto é a principal novidade do time para este jogo, após cumprir suspensão automática. No gol, Lauro entra no lugar de Alexandre Negri, que serve a seleção brasileira Sub-23, enquanto no ataque Sérgio Alves e Nenê brigam pela vaga de Roger, na seleção Sub-18. O meia Adrianinho está confirmado, uma vez que ele não recebeu o terceiro cartão amarelo, como chegou a ser anunciado. Apesar da promoção na venda de ingressos mais baratos a R$ 10, não há expectativa para grande público no Majestoso. Os dirigentes acreditam em torno de cinco a seis mil torcedores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.