Ponte empata com gol de goleiro no final

A Ponte Preta empatou com o Flamengo, por 1 a 1, neste domingo à tarde, no Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. E o gol de empate foi marcado pelo goleiro Lauro, de cabeça, aos 52 minutos do segundo tempo. Ele livrou o time campineiro de uma derrota, deixando Ponte e Flamengo com 29 pontos no primeiro turno, respectivamente, em 13º e 14º lugares. O Flamengo abriu o placar no primeiro tempo, numa falta bem cobrada por Fábio Baiano. A Ponte buscou o empate todo o tempo, criou algumas chances e mereceu o empate. Lauro já tinha tentado cabecear aos 44 minutos. No final, após confusão, que deixou o jogo parado por cinco minutos, Zé Carlos e Ronildo foram expulsos. Quando a bola voltou a rolar, a Ponte conseguiu um escanteio e Lauro voltou a se arriscar. Desta vez, ele subiu mais do que toda a defesa, explorando bem o seu 1,93 metro para desviar de cabeça. "Nem sei o que falar. Estou emocionando, porque nunca fiz um gol e nem imaginava que iria marcar contra o Flamengo", comentou o goleiro, que deve deixar o time na próxima rodada para a volta de Alexandre Negri, que estava servindo a seleção brasileira Sub-23. O jogo foi bastante equilibrado no primeiro tempo, mesmo porque os dois times fecharam o meio campo. A primeira chance de gol saiu para a Ponte Preta, aos 25 minutos, quando Adrianinho ajeitou com o peito e Jean virou rapidamente com a perna esquerda em cima do goleiro Júlio César, que rebateu numa grande defesa. O Flamengo só ameaçou aos 32 minutos, mesmo assim num contra-ataque puxado por Ânderson, desde o meio campo. Ele ia em direção ao gol quando foi derrubado por Alan. Na cobrança, em jogada ensaiada, Yan rolou para o chute violento e com efeito de Fábio Baiano. A bola fez uma curva e surpreendeu o goleiro Lauro, que estava no centro do gol. No intervalo, o técnico Abel Braga mostrou arrojo ao tirar dois marcadores para a entrada de dois atacantes. O lateral Marquinhos saiu para a entrada de Roger, enquanto o atacante Gigena entrou na vaga do volante Ângelo. "Vou ganhar mais um homem ao lado do Fabrício Carvalho e forçar as laterais com o Jean caindo pelo lado direito". O time realmente cresceu de produção, dominou as ações em campo e aproveitou o desgaste físico dos flamenguistas. O goleiro Júlio César garantiu a vitória parcial em dois lances, aos 22 com Jean e aos 37 minutos numa cabeçada de Luis Carlos. A derrota parecia inevitável quando Lauro apareceu para mudar a história.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.