Ponte nega trama para prejudicar rival

A líder e já classificada Ponte Preta teria facilitado o empate sem gols no jogo diante do ameaçado Barbarense para prejudicar o rival Guarani e ajudar o adversário, que também corre sério risco de rebaixamento? A diretoria, comissão técnica e jogadores juram que não. Alguns torcedores acreditam que sim e até chegaram "comemorar" a derrota da Ponte nos pênaltis por 6 a 5, com queima de rojões, que deu um ponto extra para o adversário. No Campeonato Paulista jogo sem gols no tempo normal, não garante ponto para nenhuma das equipes."A Ponte não esteve bem, mas se foi para prejudicar os "irmãozinhos" lá de baixo (Guarani), tem a minha aprovação", disse o comerciante Samuel Arruda Camargo. "Eles montaram um time fraco e só porque ganharam de nós nas primeiras rodadas tivemos que ouvir uma valsa; mas, agora, quem vai dançar são eles", completou o torcedor -, um dos 13.176 que foram ao estádio Moisés Lucarelli, na expectativa de mais uma vitória da Ponte, que lhe daria o título de campeã da primeira fase.A valsa que o torcedor referiu, trata-se de uma gozação da diretoria do Guarani, que depois da vitória sobre a Ponte Preta por 2 a l, no dia 4 de fevereiro, mandou colocar a música no sistema de som do estádio Brinco de Ouro. A Ponte há 15 anos não vence o arquiinimigo. "Os méritos foram todos da defesa do adversário, que estava bem fechadinha, lá atrás", disse o atacante Washington, que não marcou e foi alcançado na artilharia pelo zagueiro Andrei, do União São João. Ambos tem, agora, 12 gols assinalados.O resultado não foi bom para a Ponte que precisa ganhar domingo do Rio Branco, em Americana, para terminar em primeiro lugar, mas acabou sendo desastroso para o rival Guarani, que perdeu para o Botafogo por 2 a l, em Ribeirão Preto. O clube, que é um dos mais tradicionais do interior paulista, vive uma situação dramática, pois é lanterna da competição e precisa vencer domingo a Portuguesa Santista e torcer por combinações de resultados para não cair para a Série A-2.O clima no Guarani e muito ruim. A maior crítica é para as arbitragens, principalmente no último jogo, quando o juiz da partida deixou de marcar um pênalti e anulou um gol do Guarani. A diretoria, comissão técnica e jogadores acreditam que há um complô para derrubar o time. "Todos os jogos estão nos roubando", disse zagueiro Gláuber, após a derrota de domingo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.