Ponte Preta adota gorila como mascote, mas continua sendo 'a Macaca'

Um dia depois de perder para o Figueirense e afastar da briga pela Libertadores, a Ponte Preta anunciou nesta quinta-feira uma reformulação. O clube campineiro decidiu abandonar a tradicional macaca e adotar um gorila como seu novo mascote. De acordo com a direção, entretanto, a Ponte continua a ser a "Macaca de Campinas".

Estadão Conteúdo

19 de novembro de 2015 | 20h01

A mudança tem a ver com o fato de o mascote que representa o clube ser um personagem feminino, agora substituído por um animal considerado viril. "Queríamos uma mascote com imagem mais competitiva do que a macaca e, ao mesmo tempo, dissociar o apelido do time do mascote", explica o diretor Rodolfo Rufeinsen.

De acordo com ele, a ação visa diferenciar o clube do mascote. Vale o exemplo do Palmeiras, que é o "porco" para a torcida, mas tem um periquito como mascote. "A Ponte já é e será sempre a Macaca, assim achamos legal que o mascote seja o gorila."

Para que a mudança fosse efetivada, houve até casamento. "Aproveitamos a oportunidade para repaginar a macaquinha, casá-la com o gorila e dar dois filhos a ambos, criando assim personagens que geram identificação com pessoas de diferentes idades, com a família ponte-pretana como um todo", finaliza completa Rodolfo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPonte Pretamascote

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.