Ponte Preta analisa projeto para ter uma Arena multiuso

Novo estádio seria construído no terreno do clube social, que fica ao lado da Rodovia Anhangüera

Redação,

19 de março de 2008 | 15h52

Seguindo a linha de outros clubes, a Ponte Preta recebeu, na noite de ontem (terça-feira), um anteprojeto para a construção de uma Arena multiuso, com capacidade para 30 mil pessoas, no terreno do clube social no Jardim Eulina, que fica próximo à Rodovia Anhangüera, e hoje abriga o centro de treinamento da equipe. O anteprojeto é de autoria da Odebrecht Engenharia e Construção, que também encabeça a construção do novo estádio do Grêmio. "Trata-se de um estádio multiuso, padrão Fifa, cuja lotação será de 30.028 pessoas. Todos os assentos têm grande proximidade e visibilidade do campo e são cobertos. Não se trata de um simples conjunto de arquibancadas, mas de uma Arena multiuso, rentável, que será utilizada sete dias por semana", argumentou o arquiteto responsável pelo anteprojeto, Daniel Fernandes, da Enerconsult (braço da Odebrecht que desenvolve e analisa viabilidade de projetos como o da Arena). De acordo com o anteprojeto, o custo total seria em torno de R$ 112 milhões, sendo que a Odebrecht seria a responsável por atrair investidores e fechar o consórcio para a construção, que seria realizada dentro de 24 meses (assim que o dinheiro estiver disponível). A Ponte Preta cederá o terreno no Jardim Eulina, mas existe a possibilidade de que o atual estádio da equipe, o Moisés Lucarelli, localizado numa área valorizada de Campinas, seja vendido para custear a Arena multiuso. Esta possibilidade, assim como a viabilidade do projeto, no entanto, serão analisados por um grupo de especialistas - engenheiros, arquitetos, advogados e economistas -, que será designados pelo Conselho do clube. "Importante ressaltar que é o Conselho quem dará a palavra final. Não é um projeto de gestão e sim da Ponte Preta. Não é a diretoria ou a mesa do Conselho que irá aprovar ou não: seremos todos nós, conselheiros", ressaltou o presidente do Conselho, Jair Bonatto. Após a análise, a proposta será votada em assembléia geral a ser definida.Confiante com a possibilidade da Arena, o presidente da Ponte Preta, Sergio Carnielli, deixou claro que a decisão caberá ao Conselho, e não à atual diretoria. "O investimento da Ponte Preta na construção poderá ou não ser o atual estádio, outro bem ou mesmo podemos nos cotizar para investir. Caso optemos por utilizar o Majestoso, a própria Odebrecht o venderia e não precisaríamos entregá-lo antes de ter a Arena pronta. No entanto, quem definirá o que fazer com o estádio e como será nossa participação no investimento será o Conselho, se ele aprovar o anteprojeto."Assim como é feito em outros estádios pelo mundo afora, como a Amsterdã Arena e Emirates Stadium (onde o Arsenal joga) a Ponte Preta ficaria responsável apenas pela sua equipe de futebol e clube social, e não teria influência administrativa alguma sobre a Arena multiuso. Tal encargo será da empresa mista, da qual o clube fará parte, juntamente com a Odebrecht e a possível investidora.GUARANIO rival da Ponte Preta, o Guarani, também estuda construir sua própria Arena multiuso. Para tanto, o Estádio Brinco de Ouro seria vendido. O conselho Deliberativo do clube bugrino estuda a possibilidade. Neste caso, a venda do Brinco também serviria para liquidar dívidas.COPA DO MUNDONo ano passado, a prefeitura de Campinas lançou um projeto para a construção de uma Arena multiuso, visando a Copa do Mundo de 2014, que também seria construída na Rodovia Anhangüera. O projeto, no entanto, não ganhou o apoio esperado, e foi deixado de lado. Campinas, inclusive, não figura entre as cidades que disputam o direito de sediar jogos da Copa.Números apresentados da Arena multiuso da Ponte Preta:Terreno: 86.888 m² Público: 30.028 Assentos Anel inferior: 12.000 Anel executivo: 3.600 Camarotes (VIP): 1.428 Anel superior: 13.000 Área construída: 113.519 m²  - equivalente a 11,5 campos de futebol Fechamentos: telha metálica isolante cobertura de vidro Vagas de estacionamento: 2.225 1º subsolo: 1.534 2º subsolo: 691

Tudo o que sabemos sobre:
Ponte PretaOdebrechtSergio Carnielli

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.