Fábio Leoni/Ponte Press
Fábio Leoni/Ponte Press

Ponte Preta bate o Atlético-PR e se mantém viva na luta contra o rebaixamento

Equipe de Campinas encosta no Vitória, primeiro time fora do Z-4, com triunfo por 2 a 1 dentro de casa

Estadão Conteúdo

15 Novembro 2017 | 19h22

A Ponte Preta tinha a necessidade de vencer para ganhar sobrevida na sua luta contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro. E na base da vontade e da garra fez bem a lição de casa ao bater o Atlético Paranaense por 2 a 1, nesta quarta-feira, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), na abertura da 35.ª rodada. O resultado foi justo e os dois gols foram marcados por Danilo Barcelos.

+ TEMPO REAL - Ponte Preta 2 x 1 Atlético-PR

Este resultado justo deixou o time paulista com 39 pontos, ainda em 17.º lugar, mas agora com a mesma pontuação do Vitória, primeiro fora da zona de descenso. O time baiano leva vantagem no saldo de gols: -7 a -11. Porém, ainda vai entrar em campo nesta quinta-feira diante da Chapecoense, em Santa Catarina. O Atlético Paranaense continua em 12.º lugar com 45 pontos, mais distante do sonho de chegar ao G-7.

A Ponte Preta entrou com a mesma formação que empatou com o Coritiba por 1 a 1, em uma atitude do técnico Eduardo Baptista para dar moral ao grupo. Além disso, extraoficialmente barrou Emerson Sheik, que não teria ido com a delegação para o Paraná alegando lesão e nem foi relacionando para o banco de reservas de novo. Ele teria chegado algumas vezes atrasado para os treinos, afinal mora em São Paulo. Algo, em princípio, que não parecia incômodo, mas que se tornou um problema com o tempo.

O Atlético Paranaense foi escalado de forma ofensiva, justificado pelo técnico Fabiano Soares pelo objetivo de vencer os últimos quatro jogos e garantir uma vaga na Copa Libertadores. Tanto que o visitante começou dando um grande susto. Logo aos quatro minutos, Pablo dominou a bola pelo lado esquerdo e levantou na área. Rodrigo não cortou e Ribamar testou firme, mas a bola explodiu no travessão. O time de Curitiba tinha mais volume de jogo, enquanto que a Ponte Preta não conseguia chegar ao ataque, onde Léo Gamalho aparecia isolado e sem receber bola.

Mas, aos 38 minutos, Pavez cometeu falta sobre Lucca dentro da meia lua da área. Weverton armou a barreira com seis jogadores e ainda teve a visão encoberta por mais dois pontepretanos. Danilo Barcelos cobrou no lado oposto da barreira, à meia altura e colocado. O goleiro do Atlético Paranaense demorou para ir na bola e viu ela dentro de suas redes.

Na comemoração, Danilo Barcelos se emocionou e chorou. Ele aceitou ir para o campo mesmo com uma forte gripe e com febre no dia anterior. Antes de terminar o primeiro tempo, o zagueiro Rodrigo sentiu uma fisgada na parte posterior da coxa direita e teve que ser substituído por Marllon. O curioso é que os dois goleiros não fizeram nenhuma defesa. A única bola chutada em gol, entrou. Melhor para a Ponte Preta.

O segundo tempo começou com a Ponte Preta mantendo as suas duas linhas de marcação, na espera do adversário. Aos 14 minutos, Lucho González arriscou chute da frente da área. Bateu forte, mas por cima do travessão. Aos 19, Danilo Barcelos chutou do lado esquerdo e Weverton rebateu para frente.

A Ponte Preta esperava a chance para puxar um contra-ataque, que aconteceu aos 21 minutos. Léo Gamalho fez o papel de armador e lançou Nino Paraíba já dentro da área pelo lado direito. Ele levantou a cabeça e cruzou do outro lado para a testada firme de Danilo Barcelos. Segundo gol dele, personagem do jogo. Este é seu quinto gol, o primeiro de cabeça. O outro foi de falta e três de pênalti.

Fabiano Soares já tinha mexido em seu ataque com as entradas de Douglas Coutinho, Éderson e Sidcley. Na parada técnica, devido ao forte calor, Eduardo Baptista tirou Danilo Barcelos, bastante desgastado, para a entrada de Emerson. No recomeço de jogo, na desatenção na marcação, Coutinho fez o levantamento do lado direito e Sidcley bateu de voleio na frente da área. A bola quicou diante de Aranha e entrou: 2 a 1, aos 33 minutos.

Os últimos minutos foram de tensão para a torcida. Mas o Atlético Paranaense, fora aquele lance isolado do gol, só foi agressivo como pretendia o seu técnico nos instantes finais. Mas a vitória ficou em boas mãos graças a Aranha, que fez uma defesa excepcional aos 48 minutos, quando Paulo André desviou de cabeça e Fabrício bateu cruzado para um salto incrível do goleiro. Ele tocou de leve e mandou a bola para escanteio, garantindo a vitória.

O próximo jogo da Ponte Preta será contra o Fluminense, na próxima segunda-feira, às 17 horas, no Rio de Janeiro. Depois recebe o Vitória, em confronto direto contra o rebaixamento, e encerra a sua participação fora diante do Vasco, também no Rio. O Atlético Paranaense vai receber o Vasco, neste domingo, às 19 horas, pela 36.ª rodada. Depois sai contra o Avaí e termina a temporada em casa contra o Palmeiras.

FICHA TÉCNICA

PONTE PRETA 2 x 1 ATLÉTICO-PR

PONTE PRETA - Aranha; Nino Paraíba, Yago, Rodrigo (Marllon) e Jeferson; Naldo, Elton, Danilo Barcelos (Emerson) e Léo Artur (Renato Cajá); Lucca e Léo Gamalho. Técnico: Eduardo Baptista.

ATLÉTICO-PR - Weverton; Zé Ivaldo, Paulo André, Thiago Heleno e Fabrício; Pavez, Lucho González, Guilherme e Matheus Rossetto (Sidcley); Pablo (Douglas Coutinho) e Ribamar (Éderson). Técnico: Fabiano Soares.

GOLS - Danilo Barcelos, aos 38 minutos do primeiro tempo; Danilo Barcelos, aos 21, e Sidcley, aos 33 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Elton (Ponte Preta); Guilherme, Thiago Heleno e Pavez (Atlético-PR).

ÁRBITRO - Wilton Pereira Sampaio (Fifa/GO).

RENDA - R$ 52.090,00.

PÚBLICO - 5.421 pagantes (5.997 no total).

LOCAL - Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.