Fabio Leoni / Ponte Press
Fabio Leoni / Ponte Press

Ponte Preta busca acordo para rescindir com o goleiro Aranha

Jogador tem contrato até dezembro de 2019, mas clube afirma que salário de R$ 150 mil está fora da nova realidade do time que foi rebaixado ano passado

Estadão Conteúdo

26 Janeiro 2018 | 18h31

A segunda passagem do goleiro Aranha pela Ponte Preta está chegando ao fim. Em nota oficial, o clube comunicou que iniciou tratativas com o atleta e seu empresário para acertar uma rescisão de contrato com termos que agradem as duas partes. Ele já foi liberado e nem está participando dos treinos com o restante do elenco.

+ Sasha marca, garoto de 17 anos decide e Santos bate a Ponte Preta de virada

Em 2017, o jogador de 37 anos teve o contrato renovado até dezembro de 2019. Isso ocorreu logo após o vice-campeonato do Paulistão, competição na qual foi eleito o melhor goleiro. Como o vínculo atual se encerrará em quase dois anos, os empresários que o representam já avisaram que querem receber o valor referente ao período. Ele ganha perto de R$ 150 mil por mês, valor agora fora dos padrões do clube, rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro e que não terá R$ 30 milhões de receita vindo do contrato para transmissão de jogos pela TV.

O clube ainda lhe deve quatro meses de salários, o que aconteceu também com outros jogadores que foram afastados do elenco no ano passado. Alguns até entraram com processo na Justiça, como o zagueiro Fábio Ferreira, que reclama R$ 1 milhão, e o lateral-esquerdo Fernandinho, que conseguiu até sua transferência para o Linense. Os débitos atuais do clube girariam em torno de R$ 10 milhões. A ideia da diretoria era antecipar verba da TV, algo que "caiu por terra" após o rebaixamento.

No comunicado, a Ponte deixou claro que só vai oficializar a saída assim que o contrato de rescisão estiver assinado e ainda agradeceu os serviços prestados. "O clube reforça que tem grande respeito pelo goleiro Aranha e sua história, não só na Ponte, mas também no futebol", diz a nota oficial.

Depois da boa campanha no Paulistão, Aranha terminou o ano de 2017 rebaixado com a Ponte para a Série B. No início da atual temporada, perdeu a vaga de titular para o jovem Ian, em um prenúncio de que sua passagem pelo clube estava perto do fim. Desde a saída de nomes como Emerson Sheik, Fernando Bob e Renato Cajá, passou a ter o maior salário do elenco. O custo foi um dos principais motivos para a dispensa, já que a diretoria tem buscado cortar gastos.

Com suas duas passagens pela Ponte, Aranha é o segundo goleiro que mais vezes vestiu a camisa do clube, com 209 partidas, atrás apenas de Carlos Gallo, com 437 nas décadas de 1970 e de 1980. Nesta última passagem, chegou ao clube em 2016, vindo do Joinville, após ter saído em 2009 para defender o Atlético Mineiro. Mas atuou também no Santos e no Palmeiras.

O elenco se apresentou nesta sexta, um dia após a derrota, por 2 a 1, de virada, para o Santos, no Moisés Lucarelli. A comissão técnica procurou conversar bastante com os jogadores para tentar manter o grupo tranquilo e determinado a buscar a reabilitação. O time volta a campo diante do São Bento, domingo, às 17 horas, em Sorocaba.

Mais conteúdo sobre:
Ponte Preta aranha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.