Nilton Fukuda / Estadão
Nilton Fukuda / Estadão

Ponte Preta confirma fim de negociação e anuncia saída do técnico Gilson Kleina

Em 2018, treinador comandou o time em sete vitórias e dois empates e quase conquistou o acesso para a série A

Estadão Conteúdo

04 Dezembro 2018 | 10h30

Em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira, a Ponte Preta, através do presidente José Armando Abadalla, confirmou a saída do técnico Gilson Kleina. As duas partes vinham negociando nos últimos dias, mas não chegaram a um acordo para a renovação do vínculo. Assim, a decisão do clube foi colocar um ponto final na negociação e iniciar conversa com o 'plano B', ainda não revelado.

"Na segunda passada foi feita uma proposta, por sinal proposta excepcional, muito excepcional, e ele ficou de dar resposta. Foi até sexta, passou o prazo, sou obrigado a afirmar que a Ponte suspende as negociações com o Kleina por não ter uma posição dele. A partir de agora, diretoria vai partir para o 'plano B'. Não dá para ficar esperando. Estamos esperando há 10 dias. Não dá para ficar refém", afirmou o presidente do clube.

Abadalla confirmou que os empresários de Kleina serão avisados sobre a desistência nas próximas horas e descartou, neste primeiro momento, uma possível contratação de Guto Ferreira, que está sem clube desde que deixou a Chapecoense.

"Insistentemente a gente busca uma resposta, e só posterga. Todo mundo tem seu limite, e a instituição precisa ser respeitada. Assim que comunicamos ao procurador do Kleina que as negociações estão suspensas, tomamos a liberdade de ir em busca de outro nome. A questão do Guto Ferreira não foi discutida", completou.

MAIS DE KLEINA

Gilson Kleina assumiu a Ponte Preta no lugar de Marcelo Chamusca e pegou o time na 13ª colocação da Série B do Campeonato Brasileiro. O treinador emendou uma sequência de sete vitórias e dois empates e por muito pouco não levou a equipe para a Série A. Terminou a temporada na quinta posição, com os mesmos 60 pontos do Goiás.

O treinador encerrou assim, de forma invicta, sua terceira passagem pelo time alvinegro. Antes comandou o clube em 2017, sem muito sucesso, e entre os anos de 2011 e 2012, quando levou o time à Primeira Divisão e acabou contratado pelo Palmeiras. Como treinador rodou o Brasil passando por clubes como Bahia, Avaí, Coritiba, Goiás, Chapecoense.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.