Fábio Leoni / Ponte Press
Fábio Leoni / Ponte Press

Ponte Preta encara jogo contra o Flamengo como '1ª decisão' em luta contra degola

Se vencer, equipe campineira chega a 31 pontos e deixa a zona de rebaixamento

Estadão Conteúdo

02 Outubro 2017 | 07h46

A Ponte Preta encara o jogo contra o Flamengo, nesta segunda-feira, às 20 horas, no estádio Moisés Lucarelli, como uma das 13 decisões que ainda fará no Campeonato Brasileiro. O técnico Eduardo Baptista aceitou o desafio de manter o time na elite em 2018, apesar da irregularidade que vinha mostrando com seu antecessor, o técnico Gilson Kleina.

+ Por reabilitação no Brasileirão, Fla tenta superar trauma por perda de título

Mas, a semana foi tensa porque a derrota no domingo passado para a Chapecoense, por 1 a 0, atirou o time paulista pela primeira vez dentro da zona do rebaixamento, com 28 pontos. A recepção da torcida foi agressiva, segunda-feira, na chegada no Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP). Houve intimidações, ameaças e agressões e um Boletim de Ocorrência (BO) registrado numa delegacia.

"De repente superar este impacto negativo passou a ser nosso primeiro objetivo. Mas a semana foi produtiva e pudemos por em prática algo bem próximo do que eu considero ideal", afirmou Baptista. Desde terça-feira ele armou o time de maneira diferente e treinou por cinco dias, forçando a parte tática e técnica.

Na prática, a novidade é a formação de uma linha de quatro no meio-campo. Um esquema 4-1-4-1 com variação ao mais clássico 4-4-2. Na defesa a surpresa é a entrada de Jeferson, improvisado na esquerda, mas é um lateral que tem como ponto forte a marcação. Com isso, Danilo Barcelos foi adiantado para atuar no meio-campo, mas cobrindo o lado esquerdo.

O meio-campo continua com um tripé de volantes formado por Elton, Wendel e Jadson. O experiente volante Fernando Bob cumpre suspensão automática e Élton volta de suspensão. A baixa continua sendo o meia Renato Cajá, agora reclamando de uma lesão na panturrilha esquerda. "É uma formatação diferente, mas que nós tivemos tempo de treinar. Além de muita conversa e muitos vídeos", justifica Eduardo Baptista.

No ataque, Emerson Sheik vai atuar pelo lado direito e Lucca pela esquerda, sendo permitido a troca de posições para dificultar a marcação adversária. Léo Gamalho começa no banco de reservas. "O Sheik é experiente e faz esta função muito bem. Nada é novidade para ele", explica Baptista, que confia na volta do jogador que vai reencontrar o seu ex-clube pela primeira vez, após uma saída tumultuada em 2016. Na ocasião, ele foi dispensado pela diretoria rubro-negra.

"Não guardo mágoas de nada e de ninguém. Agora defendo as cores da Ponte Preta e tenho certeza de que vai ser um jogão", comentou o atacante de 39 anos, que pregou a união do grupo para tirar o time da zona de degola.

Para Baptista, apesar da perda do título da Copa do Brasil para Cruzeiro, o time carioca é muito forte. "O que falar de um time que tem Diego e Guerrero? É um timaço, mas vamos brigar muito para pontuar", garantiu.

+ Rueda revela reunião após vice e lamenta críticas a Muralha e Diego

Embora não tenha treinado todos os dias da semana, o goleiro Aranha deve voltar a ser titular no lugar de João Carlos, que falhou no lance do gol da Chapecoense. Ele também tinha atuado na vitória sobre o Sport, por 1 a 0, pela Copa Sul-Americana, em Campinas, onde a Ponte foi eliminada pelo saldo de gols.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.