Ponte Preta espera jogo sofrido contra o Bahia, mas quer pontuar em Salvador

Em 17.º na tabela, time paulista quer deixar o Z-4 contra um rival direto na briga contra o rebaixamento

Estadão Conteúdo

05 Novembro 2017 | 08h06

Após passar duas rodadas consecutivas na zona do rebaixamento, a Ponte Preta espera sair desta situação diante do Bahia, mesmo atuando na Arena Fonte Nova, em Salvador, neste domingo, às 18 horas (de Brasília), pela 32.ª rodada do Campeonato Brasileiro. A receita, para o técnico Eduardo Baptista, é simples: usar a experiência de alguns jogadores, marcar muito e ter a posse de bola.

Em cima do que revelou na entrevista coletiva da última sexta-feira, o treinador disse ter trabalhado bastante todos estes aspectos com todos os jogadores. Mesmo porque ele vê um novo Bahia sob o comando de Paulo César Carpegiani. "Ele tem um estilo diferente porque propõe o jogo e sempre busca a vitória. Isso tem dado certo", lembrou Eduardo Baptista.

Os números comprovam este discurso. O Bahia entrará em campo com 39 pontos, quatro a mais do que a Ponte Preta, que está na zona da degola. Há ainda outro detalhe importante: no primeiro turno, em Campinas (SP), os baianos venceram por 3 a 0. O técnico sabe que seu time vai ter trabalho na marcação, além de sofrer a pressão de mais de 30 mil torcedores.

Por isso, Eduardo Baptista aposta nos jogadores mais experientes como o goleiro Aranha, de 36 anos, o zagueiro Rodrigo, de 34, o volante Fernando Bob, de 29, e o atacante Lucca, de 27 e artilheiro do time na temporada, com 22 gols - 11 deles no Brasileirão. "Esta bagagem dos jogadores com mais experiência é importante porque isso ajuda no desempenho dos mais jovens. Além do aspecto torcida, que pesa, e mesmo da presença junto à arbitragem", expôs o técnico. "Tanto que temos um jogador experiente em cada setor", concluiu.

Mesmo porque a Ponte Preta vai ter baixas importantes para este compromisso. Os volantes Naldo e Danilo Barcelos, além do atacante Emerson Sheik, estão suspensos e o volante Wendel, machucado. A volta de Jadson, que estava suspenso, é certa no setor de meio de campo ao lado de Fernando Bob e Elton. A quarta vaga da segunda linha pode ser preenchida por Jean Patrick ou mesmo por Claudinho, também cotado para atuar na frente ao lado de Lucca.

Ainda em recuperação, o atacante Léo Gamalho deixou de ser opção. Por isso, Felipe Saraiva, da base, volta a ser figura no banco de reservas ao lado de Maranhão, emprestado pelo Fluminense. Pela carência no grupo foi convocado, inclusive, o principal destaque da base da atualidade: John Kleber. É um garoto de apenas 17 anos, mas é forte, com 1,93 metro de altura. Marcou 28 gols em 25 jogos na categoria sub-17 e tem correspondido nos treinos com os profissionais. De repente, passa de uma promessa a um fenômeno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.