Ponte Preta evita falar em crise do Flamengo e busca reabilitação

A Ponte Preta quer esquecer a derrota para o Corinthians e buscar a reabilitação contra o Flamengo, neste domingo, a partir das 11 horas, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. A crise do adversário não muda os planos do time campineiro, que pretende manter o aproveitamento dentro de casa.

Estadão Conteúdo

29 de maio de 2016 | 06h00

"Este negócio de crise é muito relativo. Tanto é que o Corinthians estava numa suposta crise, sem ganhar há cinco jogos e ganhou da gente no Itaquerão", afirmou o técnico Eduardo Baptista, lembrando que o Flamengo "tem camisa, tem tradição e não se abala com a palavra crise".

Este discurso, repetido para os jogadores nos dois dias de preparação, serve como palavra de ordem para o time mostrar diante da torcida a mesma eficiência que teve na vitória sobre o Palmeiras por 2 a 1. Além do empate sem gols com o Figueirense na estreia, em Florianópolis. Com a meta de chegar aos 48 pontos e se manter na elite, a Ponte Preta prevê somar o máximo de pontos possíveis dentro de casa.

Eduardo Baptista também comentou sobre a necessidade de disputar dois jogos seguidos pela manhã, às 11 horas. "Claro que não é o ideal, mas vale para todos. Só fomos prejudicados um pouco pela alteração do jogo contra o Corinthians, que seria realizado na quarta-feira à noite". Para o coordenador-técnico Cristiano Nunes, expert em preparação física, "o desgaste físico nesta semana vai ser mesmo maior porque foi pouco tempo de recuperação, sem contar o desconforto por atuar num horário pouco comum para os profissionais. Isso muda horários de sono, de alimentação e de preparação".

TIME PRONTO - Como é de costume, Eduardo Baptista não quis confirmar a escalação do time, que deve ter apenas uma mudança: a entrada de Thiago Galhardo no lugar de Clayson. O time, em tese, fica mais protegido no meio de campo, passando de um suposto 4-3-3 para o ortodoxo 4-4-2.

Mas no banco de reservas o técnico terá opções importantes, além de Clayson, como o atacante Roger, artilheiro do Campeonato Paulista com 11 gols pelo Red Bull Brasil, além dos meias Rhayner, de muita força, e o experiente Cristian, que cadencia mais o jogo.

O volante Renê Júnior também é opção para reforçar a marcação, embora ainda esteja fora de ritmo e em condições de atuar por meio tempo. No jogo contra o Palmeiras, o zagueiro Tiago Alves foi improvisado, no segundo tempo, na frente da defesa para dar mais consistência na marcação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.