Ponte Preta exibe confiança e espera segurar o Atlético no Mineirão

Time de Eduardo Baptista enfrenta o mineiro pelas oitavas de final da Copa do Brasil

Estadão Conteúdo

23 Agosto 2016 | 22h07

A Ponte Preta tem mostrado um futebol consistente no Campeonato Brasileiro e, por isso, tem a expectativa de passar pelo Atlético Mineiro nas oitavas de finais da Copa do Brasil. Este é o pensamento da diretoria e da comissão técnica, que esperam conquistar um bom resultado nesta quarta-feira à noite, às 21h45, no Mineirão, pelo jogo de ida do mata-mata. Depois vai jogar em cima do regulamento na volta marcada para dia 21 de setembro, em Campinas.

O técnico Eduardo Baptista acha que seu time já superou a irregularidade vista em alguns jogos no Campeonato Brasileiro. Por coincidência, foi vítima dos clubes mineiros, perdendo em sequência para o Atlético-MG, por 3 a 0, no Independência, e depois caiu em casa diante do Cruzeiro por 4 a 0.

"Hoje nós temos um futebol mais constante, com esquema definido, com várias opções no elenco. Enfim, podemos encarar qualquer adversário, mas mantendo a nossa humildade e sabendo de nossa reais possibilidades", diz o treinador, reforçando que gosta de dar sequência ao time, evitando mudanças.

Desta vez, porém, ele terá que trocar pelo menos duas peças. O atacante William Pottker já defendeu o Linense na competição, enquanto o volante Wendel atuou pelo Goiás. No ataque, o técnico já confirmou a entrada de Roger, que não enfrentou o Palmeiras porque estava suspenso com três cartões amarelos. No meio-campo há duas opções: o jovem Matheus Jesus, de 19 anos, recentemente convocado para a seleção brasileira sub-20, e Abuda, ex-Chapecoense e Cruzeiro, e que estava no futebol turco. É um jogador mais experiente.

O certo é que o setor vai ter três volantes, dando prioridade na marcação, tanto com Matheus ou com Abuda. Mas no ataque é que pode acontecer uma surpresa. Com a volta de Roger é possível que Wellington Paulista deixe o time, uma vez que ambos têm as mesmas características, atuando mais dentro da área. Seria a chance para a volta de Rhayner, um meia que ajuda bastante a marcação.

"É importante a gente não tomar gol. Mas se isso acontecer nós precisamos manter a tranquilidade para não ir ao ataque de forma desordenada", diz Eduardo Baptista que empurrou a definição do time para momentos antes do jogo. Alertou, porém, que "tenho boas opções e quem entrar vai dar conta do recado. Não tive tempo de experimentar no treinamento, mas vamos posicionar os jogadores antes do jogo".

O atacante Roger que não foi até a Arena Palmeiras no empate por 2 a 2 mostrou entusiasmo em voltar ao time num jogo importante, além de ressaltar que está aliviado de não atuar dentro do estádio Independência. "Jogar no Mineirão é como se fosse um campo neutro. É difícil jogar lá no Independência, ainda mais quando os caras fazem um gol e vêm para cima da gente na base da pressão. O Atlético é hoje um dos melhores times do Brasil e por isso é o favorito. Mas vamos tentar fazer a nossa parte", comentou.

Os jogadores treinaram na manhã desta terça-feira no gramado do Majestoso com portões fechados. Só a parte do recreativo foi liberada. Após o almoço, a delegação seguiu para a capital mineira completamente focada neste jogo, deixando para pensar depois no compromisso com o Corinthians, sábado, em Campinas, pela 22.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Então para defender a terceira posição, com 31 pontos. Na Copa do Brasil, o time campineiro passou por três clubes: Caldense, Genus e Figueirense.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.