Ponte Preta foca Brasileirão para se livrar logo de qualquer risco de descenso

Na última partida, equipe perdeu para o Atlético Paranaense

Estadão Conteúdo

26 de setembro de 2016 | 17h25

A derrota da Ponte Preta para o Atlético Paranaense por 3 a 0, no último domingo, na Arena da Baixada, em Curitiba, fez com que o time campineiro perdesse uma posição na tabela de classificação e ficasse mais distante do sonho de buscar uma vaga na Copa Libertadores. Mesmo assim, a ordem da comissão técnica é esquecer o passado e pensar no futuro, que seria o próximo jogo. Outra pedreira: o Atlético Mineiro, neste sábado, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP).

A Ponte Preta continua com 39 pontos, mas caiu para a nona posição. Neste momento, as chances matemáticas de conquistar uma vaga para a Libertadores são de apenas 6%. O objetivo inicial é atingir os 46 pontos e assegurar a presença do time no Brasileirão de 2017. "Continuamos trabalhando jogo a jogo. Vamos buscar o mínimo necessário para nos manter na elite e depois buscar o máximo de pontos para terminar bem a competição", afirmou o técnico Eduardo Baptista, nesta segunda-feira, quando os jogadores voltaram aos treinamentos.

Ele considerou que o pênalti sofrido no final do primeiro tempo e a expulsão de William Pottker no início do segundo tempo atrapalharam os planos de jogo no Paraná. "Faltou maturidade, não comprometimento", garantiu Eduardo Baptista, que saiu em defesa de seus jogadores.

Ninguém quis creditar a derrota à instabilidade emocional gerada pela eliminação na Copa do Brasil, na quarta-feira passada, em Campinas. Não apenas pela desclassificação, mas pela maneira como ela aconteceu. A Ponte Preta vencia por 2 a 0 e sofreu o empate em apenas 11 minutos.

A delegação voltou de Curitiba com três baixas. William Pottker foi expulso e o meia Clayson e o lateral-esquerdo Reinaldo receberam o terceiro cartão amarelo e também vão cumprir suspensão automática. Breno Lopes é o lateral reserva; Wellington Paulista e Zé Roberto são opções no ataque e Pottker vinha na reserva.

Mas outras mudanças devem ser feitas como o retorno do zagueiro Douglas Grolli no lugar de Fábio Ferreira, que falhou em Curitiba. A entrada de Wendel no meio de campo também é prevista para reforçar o sistema de marcação. Mas há muito tempo para definir a escalação oficial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.