Montagem fotos Gabriela Bilo/Estadão
Montagem fotos Gabriela Bilo/Estadão

Ponte Preta isola o time e mantém foco total na final do Paulistão

Jogadores ficarão cinco dias concentrados até o primeiro jogo contra o Corinthians

Estadao Conteudo

24 de abril de 2017 | 18h54

Focada na disputa da final do Paulistão, a Ponte Preta planeja um esquema especial de concentração às vésperas do primeiro jogo da decisão, contra o Corinthians, domingo, em Campinas. Os jogadores devem ser isolados do assédio natural da torcida nos próximos cinco dias, além da presença da imprensa na cidade.

O regime de foco total vai começar nesta terça-feira à noite, depois do treinamento marcado para o período da tarde. Esta vai ser a primeira movimentação visando os confrontos contra o Corinthians, o primeiro deles marcado para domingo, às 16 horas, no estádio Moisés Lucarelli.

Por conta disso, todos os jogadores foram liberados desde sábado à noite, após a conquista da vaga diante do Palmeiras, no Allianz Arena, em São Paulo. A apresentação só acontece após o almoço desta terça-feira, de novo, no centro de treinamento do Jardim Eulina. O mesmo esquema deve ser adotado na outra semana, antes do segundo jogo, no Itaquerão.

Tanto comissão técnica quanto membros da diretoria estão cientes da necessidade deste isolamento. Os jogadores vão desfrutar de muito conforto, podendo ser acompanhados por todo o estafe do clube, com controle da alimentação e do período de descanso. Além de atenuar a ansiedade natural para quem vai ter pela frente um grande desafio, que é buscar o primeiro título da história do clube.

BAIXA E DÚVIDA

O técnico Gilson Kleina vai ter a semana toda para definir as mudanças no time. Desfalque certo é o zagueiro Marllon, suspenso, com três cartões amarelos. A primeira opção é a entrada de Fábio Ferreira, já utilizado na competição. Outra é o aproveitamento de Naldo, que não foi tão bem nas vezes em que foi convocado.

De outro lado, Reynaldo volta a ser opção na lateral-esquerda, após cumprir suspensão. Com apenas 20 anos, oriundo da base, ele é zagueiro de origem, mas vinha sendo titular na lateral desde a chegada de Kleina ao clube. Participou de seis jogos. Ele pode entrar na vaga de Artur, que atuou na derrota para o Palmeiras, por 1 a 0.

O lateral-direito Nino Paraíba e o meia Renato Cajá nem foram relacionados para o último jogo, mas devem estar dentro do grupo desta vez. As chances, porém, deles serem aproveitados como titulares é muito pequena.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.