Ponte Preta mantém moral elevado

O resultado poderia ter sido melhor, mas a derrota para o Bahia por 2 a 1, na última quarta-feira, em Salvador, não vai abalar o moral dos jogadores da Ponte Preta. A garantia é do técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, que embora tenha enxergado falhas no comportamento da equipe contra o time baiano, não classificou o resultado como anormal. "Erramos muitos passes no primeiro tempo, mas no segundo conseguimos equilibrar a partida e até dominar o adversário.Infelizmente sofremos um gol logo após o empate e a equipe ficou muito ansiosa em conseguir novamente o empate. Isso nos prejudicou", avaliou Vadão. O treinador sentiu a ausência de alguns titulares como Humberto, Alex Oliveira e Fabrício Carvalho, principal artilheiro do time com cinco gols. Alguns jogadores chegaram a reclamar da arbitragem e do pênalti marcado pelo árbitro Márcio Rezende de Freitas ainda no primeiro. "Mas o que passou, passou", disse Vadão. E o técnico já traça planos para o próximo compromisso do time no Campeonato Brasileiro. Vadão passou à noite torcendo para que a combinação de resultados mantivesse sua equipe entre os oito melhores classificados. No domingo, a equipe quer ratificar a condição de candidato a classificação. A Ponte enfrenta o Corinthians, no Estádio do Pacaembu, em São Paulo. Para este jogo, o técnico pontepretano vai contar com o retorno do artilheiro Fabrício Carvalho, que cumpriu suspensão automática contra o Bahia. Assim, Lucas, autor do único gol da Ponte em Salvador, volta a ficar entre os suplentes. O meia Alex Oliveira deve continuar de fora do time, por causa de uma lesão muscular na coxa direita. O meia Humberto fica de fora, enquanto os retornos do goleiro Hiran e do volante Mineiro, que está se recuperando de uma cirurgia no joelho, continuam sendo uma incógnita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.