Ponte Preta não fala em revanche em mais um confronto contra o Atlético-MG

Clube campineiro caiu diante de mineiro na Copa do Brasil

Estadão Conteúdo

01 Outubro 2016 | 07h00

Por mais que os jogadores e a comissão técnica da Ponte Preta evitem encarar o jogo contra o Atlético Mineiro como uma revanche, não tem como convencer a torcida de que é a chance para "matar" o adversário que a eliminou nas oitavas de finais da Copa do Brasil na semana passada, no mesmo estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP). Este duelo, neste sábado, às 16h30, pela 28.ª rodada do Campeonato Brasileiro, vai ser o quarto confronto entre eles na temporada.

E nos números há outro motivo especial para superar os mineiros, que estão na frente com uma vitória no primeiro turno, no estádio Independência, em Belo Horizonte, por 3 a 0, e dois empates pela Copa do Brasil - 1 a 1 no estádio do Mineirão, na capital mineira, e 2 a 2 em Campinas. Esta eliminação ainda é dolorosa para a torcida porque o time vencia por 2 a 0 até os 29 minutos do segundo tempo e permitiu o empate. O clube mineiro, então, levou a vaga por ter marcado dois gols fora de casa.

"Não temos que pensar em Copa do Brasil, mas somente focar nossa campanha no Brasileiro", disse o atacante Felipe Azevedo, que marcou um dos gols no fatídico empate que eliminou a Ponte Preta de forma invicta na competição de mata-mata. Mas a torcida espera muita disposição dos jogadores para dar o troco nos mineiros, que com 49 pontos estão em terceiro lugar e sonham com o título.

Este é o discurso da comissão técnica, que reconheceu a falta de concentração na derrota para o Atlético Paranaense por 3 a 0, no domingo passado, na Arena da Baixada, em Curitiba. O time teria sentido o baque pela saída da Copa do Brasil. "Isso já passou. Agora precisamos pontuar o máximo no Brasileiro e buscar nossas metas", afirmou o técnico Eduardo Baptista.

A meta inicial é chegar aos 46 pontos para garantir a vaga do time na elite em 2017. No momento, a Ponte Preta soma 39 e ocupa a nona posição. Mas já esteve mais bem colocada e perto do G4, grupo que participará da Copa Libertadores. Como handicap positivo, o time paulista não perde em casa há mais de três meses, quando foi goleado pelo Cruzeiro por 4 a 0, na 10.ª rodada, no dia 22 de junho. Depois foram seis vitórias e dois empates em casa, que fazem da Ponte Preta a dona da sétima melhor campanha como mandante com nove vitórias, dois empates e duas derrotas.

TIME DEFINIDO - Sem muitas opções para suprir as ausências de seu time, Eduardo Baptista, desta vez, nem escondeu as mudanças e a escalação oficial. Na lateral esquerda, Breno Lopes vai substituir Reinaldo, suspenso com três cartões amarelos, o mesmo ocorrendo com a entrada de Ravanelli pelo lado esquerdo do ataque na vaga de Clayson, também cumprindo a suspensão automática.

"Não restou muita alternativa, mas confio bastante no novo setor esquerdo. Os dois (Breno e Ravanelli) estão acostumados a treinar no time reserva por ali. Vai dar tudo certo" explicou o técnico, que aposta nos novos titulares.

No meio de campo ocorre uma mudança técnica com a saída de Maycon para a entrada de Wendel, que é mais forte na marcação. "O Wendel vai ajudar o João Vitor na marcação e o Thiago Galhardo pode encostar também mais nos atacantes. Isso, é claro, dentro daquele espírito de que todos defendem e todos atacam quando podem", justificou Eduardo Baptista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.