Álvaro Jr./ PontePress
Álvaro Jr./ PontePress

Ponte Preta pede impugnação de jogo ao STJD após pênalti polêmico

Equipe de Campinas contesta marcação do VAR que gerou gol de empate do Vila Nova

Redação, Estadão Conteúdo

04 de outubro de 2021 | 20h06

A Ponte Preta entrou nesta segunda-feira com um pedido de impugnação da partida contra o Vila Nova junto ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O time de Campinas alegou erro de direito na marcação de um pênalti aos 51 minutos do segundo tempo no duelo disputado no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. O caso será apreciado por Otávio Noronha.

Na ocasião, o árbitro Adriano Barros Carneiro nada marcou e foi chamado pelo VAR, comandado por Wanderson Alves de Sousa, para fazer nova análise no lance envolvendo o atacante Iago. Após consultar o vídeo, Carneiro acabou confirmando o pênalti, convertido por Pedro Júnior. No entanto, as imagens disponibilizadas indicam que a bola havia batido no quadril e não no braço, conforme a marcação da arbitragem.

Além da marcação polêmica, a Ponte reclamou muito do VAR ser comandado por árbitros de Minas Gerais, estado de um dos adversários diretos da equipe na luta contra o rebaixamento, no caso, o Cruzeiro. O vídeo foi dirigido por Wanderson Alves de Sousa e Marcus Vinicius Gomes.

"Era sem VAR no início, sofremos bastante. Agora continuamos a sofrer. Então vamos continuar buscando junto à Federação Paulista o apoio necessário para termos soluções da CBF, porque não é possível que a gente possa passar uma situação dessas. Jogamos, trabalhamos, fizemos um jogo difícil, que a gente sabia que era importante para nós. E, no final, saímos daqui prejudicados por um cidadão que vem aqui de forma, digamos assim, que tenta manchar, macular o nosso trabalho, que traz uma situação dessa", disse o executivo de futebol do clube, Alarcon Pacheco.

O auxiliar da Ponte, Fabiano Xhá revelou bastidores de dentro de campo e chamou a atenção para a explicação da arbitragem. "A gente foi questionar o porquê do pênalti e, palavras dele, o movimento feito. Ele falou que a mão do atleta estava atrás, mas mesmo estando atrás, o atleta fez um movimento de bloqueio de bola, puxou o braço para trás e bloqueou a bola. Sendo que, em momento algum, em câmera alguma apareceu isso. Então é muito estranho, porque o VAR chamou. Ele chamou para um erro, e o árbitro foi lá e confirmou o erro. Então são situações que infelizmente a gente fica chateado, a gente fica questionando também por que está acontecendo isso em uma sequência dessa forma", completou.

Os jogadores da Ponte Preta também emitiram uma nota oficial para contestar a marcação da arbitragem. "As decisões dos senhores Adriano Barros Carneiro, que apitou o jogo, e do responsável pelo VAR, Wanderson Alves de Sousa, foram equivocadas, inexplicáveis e de uma incompetência que pode ser vista e confirmada em vídeo amplamente divulgado", diz parte do texto.

Com o empate por 1 a 1 com o Vila Nova, a Ponte Preta ficou na 15ª colocação, com 33 pontos, três na frente do Londrina, o primeiro dentro da zona de rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.