Ponte Preta pega o Vitória e tenta encerrar jejum no Brasileirão

Com 39 pontos, a equipe campineira ocupa há duas rodadas a décima posição

Estadão Conteúdo

13 Outubro 2016 | 06h55

De olho na meta de atingir 45 pontos e garantir a manutenção na elite nacional em 2017, a Ponte Preta precisa e ambiciona retomar o caminho das vitórias no Campeonato Brasileiro. Vencer ou vencer é o lema para o compromisso diante do Vitória, nesta quinta-feira, às 19h30, no Estádio Moisés Lucarelli, pela 30.ª rodada.

A sequência de maus resultados criou uma situação incômoda no clube. Principalmente para os jogadores e para a comissão técnica, pressionados pelas críticas da imprensa e da torcida e cobrados pela diretoria para voltar a pontuar na competição.

Com 39 pontos, a Ponte Preta ocupa há duas rodadas a décima posição. Mas não vence há quatro jogos, com um empate - 2 a 2 com a Chapecoense, em Santa Catarina - e três derrotas seguidas: Atlético-PR, por 3 a 0, em Curitiba, Atlético-MG, 2 a 1, em Campinas, e Cruzeiro, por 2 a 0, em Belo Horizonte. Agora quer aproveitar a tabela que marca dois jogos seguidos em casa - contra o Vitória e depois no domingo, diante do Santa Cruz.

O técnico Eduardo Baptista compartilha da opinião de que "a pressão faz parte e é necessária dentro do futebol. Quem não suporta pressão deve sair dele". Assim, ele assumiu a responsabilidade pelos maus resultados, mesmo sabendo dos erros individuais que resultaram nos últimos tropeços. Mas, como sempre, pede respeito ao adversário que luta contra o rebaixamento.

Para voltar a vencer, a opção é voltar com a mesma base que conquistou a maioria dos pontos na temporada. Uma formação que não costuma agradar a torcida, mas que resolve em campo. As principais novidades são as voltas dos meias Rhayner, que recompõe a marcação, e Clayson que é um ladrão de bola e ainda puxa os contra-ataques aproveitando a sua velocidade.

Mas para as voltas deles, que deixaram o time por lesões, o técnico vai ter que colocar no banco de reservas dois de seus principais artilheiros: William Pottker, com dez gols, e Felipe Azevedo, com cinco. Pottker vai ser julgado à tarde pelo STJD e pode pegar até quatro jogos por ter dado um soco no atacante Luan, do Atlético-PR.

O meia Thiago Galhardo está suspenso, o que abre espaço para a volta do volante João Vitor, que não enfrentou o Cruzeiro por estar suspenso com três cartões amarelos. Ao seu lado devem estar o volante Wendel e o meia Maycon, que também ajuda na marcação.

"Temos que voltar ao velho esquema de marcar forte e sair ao ataque em velocidade. Para tanto, nós temos que manter o foco total no jogo para evitar erros", disse Eduardo Baptista, que terça-feira recebeu no gramado do Majestoso as presenças do presidente Vanderlei Pereira e do presidente de honra Sérgio Carnielli. Eles ratificaram que o clube vive uma calmaria, que cumpre à risca seus compromissos financeiros e que precisa superar este mau momento.

Como é habitual, houve treino pela manhã e à tarde o início da concentração. A diretoria fez promoção de ingressos. Oito mil bilhetes foram trocados por garrafas pets, no projeto Futebol Sustentável organizado pela Federação Paulista de Futebol.

Os ingressos populares estão fixados em R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). Por isso, existe a expectativa da presença de dez mil torcedores para apoiar o time. No primeiro turno, em Salvador, houve empate por 1 a 1, no Barradão, na 11.ª rodada. Na época o técnico do time baiano era Vagner Mancini, depois substituído por Argel Fucks.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.