Ponte Preta quebra longo tabu e bate o Botafogo no Rio

Botafogo e Ponte Preta se enfrentaram no Engenhão em busca da segunda vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro e de avançar na tabela. No confronto de times alvinegros, melhor para os campineiros, que pela primeira vez em sua história superaram um dos grandes cariocas na capital fluminense: 2 a 1. Em 24 jogos anteriores, 14 derrotas e 10 empates.

AE, Agência Estado

24 de junho de 2012 | 21h04

A vitória, que leva a Ponte aos nove pontos e à 10ª colocação, foi obtida com muita entrega ao planejamento tático traçado pelo técnico Gilson Kleina. Forte marcação e bom aproveitamento das raras investidas ao ataque.

"Fizemos o que nós conversamos durante a semana. Jogamos muito bem", avaliou o atacante Roger, que não marcou, mas viu Nikão e Ricardinho garantirem a vitória com seus gols.

A derrota e o período de inatividade - o jogo contra o Corinthians foi adiado e o Botafogo só volta a campo no dia 7 de julho, contra o Bahia - certamente vão se somar para deixar o ambiente em General Severiano carregado, com o clube caindo para a sétima colocação, com nove pontos. A Ponte volta ao Rio no dia 30 para outro desafio, derrubar o Vasco em São Januário.

A equipe do técnico Oswaldo de Oliveira já chegou para o jogo em meio a muita controvérsia e especulações envolvendo a venda de jogadores.

O atacante Loco Abreu foi lançado como titular, mesmo tendo manifestado insatisfação com a reserva e o esquema do treinador ao longo da última semana. Atuando em lugar de Herrera, em vias de deixar o clube, o uruguaio foi apático na postura e apagado no rendimento.

No segundo tempo, entrou Maicosuel, mais um que deve arrumar as malas para outra freguesia em breve. O meia também pouco produziu nos seus 20 minutos em campo. "Como não vamos jogar no próximo fim de semana temos muito tempo para trabalhar", comentou o volante Renato.

A Ponte seguiu bem a receita desenhada. Aos 16 minutos, depois de suportar o sufoco inicial, Lucas arrancou pelo meio e achou Nikão livre, com a zaga botafoguense desarrumada no contragolpe. O meia driblou Jefferson e tocou para o gol vazio.

Desarrumada, a equipe carioca não criava. O empate só veio quando Tiago Alves dividiu com Márcio Azevedo na área e Evandro Roman marcou pênalti. Andrezinho cobrou com categoria e igualou o placar pouco antes do intervalo. "Está muito difícil para a gente criar. Por isso não podemos sofrer gols por falhas nossas", admitiu o meia botafoguense.

Para infelicidade de Andrezinho, foi justamente o que aconteceu. Em linda jogada coletiva, Ricardinho recebeu belo passe de Nikão e fuzilou as redes de Jefferson, fazendo o gol que decretaria a vitória histórica.

As mexidas de Oliveira pouco efeito tiveram. Elkeson substituiu Abreu e Maicosuel entrou na vaga de Fellype Gabriel, mas não contribuíram para melhor rendimento do time.

Ao passo que os campineiros se fecharam com competência e só não ampliaram porque André Luis perdeu uma ótima oportunidade.

FICHA TÉCNICA:

BOTAFOGO 1 X 2 PONTE PRETA

BOTAFOGO - Jefferson; Lennon, Antônio Carlos, Fábio Ferreira e Márcio Azevedo; Jadson, Renato, Fellype Gabriel (Maicosuel), Andrezinho e Vitor Júnior; Loco Abreu (Elkeson). Técnico - Oswaldo de Oliveira.

PONTE PRETA - Edson Bastos; Cicinho, Tiago Alves, Ferron e João Paulo; Baraka, Lucas, João Paulo Silva (Ricardinho) e Nikão (Bruno Sabino); André Luís (Rildo) e Roger. Técnico - Gilson Kleina.

GOLS - Nikão, aos 16, e Andrezinho, aos 43 minutos do primeiro tempo. Ricardinho, aos 9 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Evandro Rogério Roman (Fifa-PR).

CARTÃO AMARELO - Lucas.

RENDA - não disponível.

PÚBLICO - 4.465 pagantes (6.731 presentes).

LOCAL - Estádio João Havelange (Engenhão), no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.