Ponte Preta quer manter a intensidade para segurar o vice-líder Atlético-MG

Animada pela possibilidade, cada vez maior, de brigar por uma vaga na Copa Libertadores de 2016, a Ponte Preta espera segurar o ímpeto do Atlético Mineiro, neste domingo, às 19h30, no estádio Independência, pela 32.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O jovem Felipe Moreira, de 34 anos, ainda na condição de técnico interino, não acha que existe uma fórmula especial para voltar da capital mineira ainda invicto.

Estadão Conteúdo

25 de outubro de 2015 | 09h33

"Nós vamos manter a mesma intensidade que mostramos nos últimos jogos. Vamos ter que marcar muito, porém teremos que atacar quando tivermos oportunidade", disse o técnico, que venceu os dois jogos que dirigiu o time - contra o Palmeiras, por 1 a 0, e diante do Coritiba, por 3 a 0. Mas a equipe vem de uma sequência ainda mais positiva, com sete jogos em perder, com seis vitórias e apenas um empate, justamente contra o líder Corinthians, por 2 a 2, em Campinas.

Agora chegou a vez de medir forças contra o vice-líder, que corre atrás do Corinthians. O Atlético está separado por oito pontos do líder - 67 a 59. Independente desta diferença, Felipe Moreira acha que vai ter um "grande adversário" pela frente. E justifica lembrando que "eles têm um dos melhores ataques da competição - 54 contra 57 do Corinthians -, contam com jogadores de alta técnica e fazem muitas jogadas de bolas paradas. Vamos ter que jogar muito bem para segurá-los. Mas vamos dar o máximo possível", completou.

Sem esquecer que o Atlético vai ter a torcida a seu favor e a obrigação de se reabilitar da inesperada goleada sofrida diante do Sport por 4 a 1, no Recife, na última rodada.

Da mesma maneira como a comissão técnica traçou o planejamento "jogo por jogo" para superar a marca dos 46 pontos e assegurar a sua permanência na elite em 2016, agora vai "jogo a jogo" tentar beliscar uma vaga na Libertadores. As chances aumentaram com a possibilidade de um time paulista ser campeão da Copa do Brasil e transformar o G4 em G5. Antes do início da rodada, a Ponte Preta tinha 47 pontos, em oitavo lugar.

Como trunfo em Minas Gerais, o time paulista vai apresentar, pela terceira vez seguida, a mesma formação. Ganhou do Atlético Paranaense por 2 a 1, em Curitiba, venceu o Palmeiras, em São Paulo, e depois bateu o Coritiba, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas. A Ponte Preta usa o esquema 4-3-2-1, com dois zagueiros fortes - Renato Chaves e Ferron - que dão liberdade para os laterais - o velocista Rodinei, pela direita, e o técnico Gilson, pela esquerda.

O meio de campo é ofensivo, com os volantes Fernando Bob e Elton e o meia Cristian, mas que agrupa bem quando o time é atacado. Além disso, conta com o recuo de dois atacantes: Felipe Azevedo pela direita e Biro Biro pela esquerda. Só o experiente Borges fica como referência no ataque.

"Na verdade o nosso time é forte no conjunto porque tem um esquema bem definido. Isso permite que a gente possa preencher bem os espaços dentro de campo, fechando para marcar e usando a velocidade para atacar", explicou Fernando Bob, um volante técnico, de muita habilidade e que já assinou um pré-contrato com o Corinthians.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoPonte Preta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.