PontePress/Divulgação
PontePress/Divulgação

Ponte Preta quer ser reconhecida pela Fifa como o primeiro time a usar negros

Equipe campineira defende que desde a fundação já conta com medidas inclusivas

Gonçalo Junior, O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2020 | 07h34

A Ponte Preta busca o reconhecimento da Fifa como o primeiro clube a escalar atletas negros no futebol brasileiro - a equipe encaminhou a documentação em 13 de agosto de 2003. A campanha, mantida por torcedores e pesquisadores, chegou às redes sociais por descendentes dos fundadores da equipe. A resposta da Fifa foi positiva, mas não conclusiva.

A trajetória dos negros no clube campineiro começa com Miguel do Carmo em 1900, pouco mais de uma década após a abolição da escravatura. Ele é citado como um dos jovens fundadores e atletas do time. Em 1912, a Ponte Preta venceu pela primeira vez a Liga Operária de Foot-Ball Campineira com três negros no time: Amparense, Moraes e Benedito Aranha.

A partir de 1920, a Ponte passou a sair de Campinas para disputar jogos em outras cidades. A torcida alvinegra acompanhava o time pelas ferrovias do estado e fazia o caminho da estação de trem até o estádio festejando pelas ruas. Esse comportamento da torcida, formada por mulatos e negros, fez com que ela recebesse o apelido racista de "macacada". Os campineiros incorporaram o apelido.

Não existe uma "história oficial" sobre a presença dos negros no futebol brasileiro. A principal referência é o livro "O negro no futebol brasileiro", escrito por Mário Filho. Embora seja um clássico, a obra está fundamentada no futebol do Rio de Janeiro, sem considerar outras regiões. Nesse contexto, o Vasco é o pioneiro. Em 1923, o time conseguiu seu primeiro campeonato carioca, escalando um time basicamente formado por negros. Aquele título do Vasco fez com que outros times deixassem de lado o preconceito. Nas décadas seguintes, surgiu nos gramados uma constelação de craques negros: Leônidas, Domingos da Guia, Djalma Santos e Pelé.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.