Ponte Preta reclama da arbitragem, mas técnico vê pontos positivos

Dirigentes do clube garantem que primeiro gol do jogo foi irregular

Estadão Conteúdo

31 de julho de 2016 | 14h00

Para a Ponte Preta, a derrota para o Fluminense neste domingo, por 3 a 0, no estádio Giulite Coutinho, teve de novo uma mão da arbitragem. Enquanto os dirigentes reclamavam, o técnico Eduardo Baptista procurou ver os pontos positivos do seu time neste jogo válido pela 17.ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Baptista gostou da marcação no começo do jogo, mas reconheceu que o time caiu de produção após sofrer o primeiro gol marcado por Cícero impedido. "A gente estava dentro da nossa estratégia. O jogo estava equilibrado, num bom momento. Mas o gol desequilibrou, num estádio de pressão", afirmou, sem esquecer de elogiar o bom aproveitamento do Fluminense que "teve três chances e soube aproveitar, tendo méritos na vitória".

Para o técnico campineiro, "hoje não fomos tão felizes nas finalizações. Temos que trabalhar. Temos alguns jogadores ainda estreando, então é preciso tempo. Vamos continuar trabalhando para fazer um bom campeonato". O time não vence há três jogos na competição, com derrota para o Santos, por 3 a 1, na Vila Belmiro, empate por 2 a 2 com o Internacional, no Moisés Lucarelli, e derrota agora em Edson Passos.

OUTRA VEZ

A direção da Ponte Preta voltou a lamentar a arbitragem, focando principalmente no lance do primeiro gol do Fluminense feito por Cícero em posição de impedimento. Na semana passada, a Ponte Preta fez uma reclamação formal junto à CBF por causa dos erros graves vistos diante do Internacional.

"Infelizmente, isso compromete o trabalho de toda a semana. O primeiro gol deles mudou toda a história do jogo", declarou Gustavo Bueno, gerente de futebol. Ele disse que a direção vai continuar fazendo suas reclamações junto à CBF e à comissão de arbitragem. Desta vez, contra o árbitro mineiro Igor Junio Benevenuto.

O meia Thiago Galhardo, que entrou em campo no segundo tempo, foi mais sutil. "Acho que os árbitros precisam ver nosso time com mais carinho. Não dá para ganhar sendo prejudicado toda hora", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.