Ponte Preta tem motivos de sobra para vencer o Coritiba na sua despedida

Equipe catarinense quer ter o artilheiro da competição e a premiação da oitava colocação

Estadão Conteúdo

11 de dezembro de 2016 | 07h35

Se para muitos times e torcedores a última rodada do Campeonato Brasileiro vai servir apenas para cumprir tabela, para a Ponte Preta há motivos de sobra para vencer o Coritiba, a partir das 17 horas deste domingo, no Moisés Lucarelli. O time busca a melhor campanha na história dos pontos corridos, quer terminar em oitavo lugar para ter uma premiação de R$ 1,95 milhão da CBF e ainda pode tornar William Pottker o primeiro artilheiro da equipe na competição.

Com 50 pontos e na décima posição, o time campineiro já garantiu vaga na Copa Sul-Americana. Mas quer vencer para chegar aos 53 pontos e superar a marca do ano passado, quando atingiu os 51. Daí vai torcer por derrota do Grêmio para o Botafogo, em Porto Alegre, para terminar em oitavo lugar. O time gaúcho tem 53 pontos e as mesmas 14 vitórias da Ponte Preta, que pode chegar aos 15 triunfos.

Outro motivo para vencer é transformar o atacante William Pottker no primeiro artilheiro do time na história do Brasileirão. Ele tem 13 gols, um atrás de Fred, do Atlético-MG, que não vai jogar em razão do WO duplo com a Chapecoense. Outros concorrentes também estão de fora como Grafite, com 13 gols, do Santa Cruz; Robinho, também do Atlético-MG, e Gabriel Jesus, do Palmeiras, ambos com 12 gols. Por isso, a briga para igualar ou ultrapassar Fred ficou restrita a Pottker, Diego Souza, do Sport, ambos com 13 gols, Sassá, do Botafogo, com 12, e Marinho, do Vitória, com 11 gols.

"Não é nada fácil marcar um ou dois gols, mas a disputa ficou melhor com estas ausências importantes" disse Pottker, de 22 anos, lembrando que entre os ausentes estão seus ex-ídolos Fred, Robinho e Grafite.

Mas a formação do time na sua despedida será bastante diferente daquela vista na maioria dos jogos. O volante João Vitor e o atacante Clayson estão suspensos, o zagueiro Douglas Grolli foi liberado para ir até Chapecó e outros seis jogadores foram dispensados porque não vão continuar no clube.

O comando técnico também vai ser novo. É o primeiro jogo que o ex-auxiliar técnico Felipe Moreira comanda o time de forma efetiva após a saída de Eduardo Baptista, oficializada na semana passada. Moreira confirmou três mudanças em relação ao jogo contra o Botafogo, no empate por 1 a 1, fora de casa.

O experiente Fábio Ferreira entra na defesa, Wendel ocupa vaga no meio-campo após cumprir suspensão e Zé Roberto vai substituir Clayson no ataque. Esta será a primeira vez que Zé Roberto, emprestado pelo Bahia, inicia um jogo, dois meses após chegar ao clube. Clayson cumpre suspensão pelo acúmulo de três cartões amarelos e na sexta-feira foi punido por dois jogos por sua expulsão contra o Botafogo. A punição será cumprida no próximo ano.

Para motivar a presença da torcida, a diretoria fez promoção de ingressos com preços atrativos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Mesmo assim, a expectativa é da presença de apenas cinco a seis mil torcedores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.