Ponte Preta tenta contratar jogadores

A diretoria da Ponte Preta não esperava estrear no Campeonato Paulista perdendo para o São Caetano, por 1 a 0, quarta-feira, em São Caetano do Sul (SP). Preocupados com um novo tropeço diante do Santos, domingo, às 16 horas, no Estádio Majestoso, os dirigentes estão correndo atrás de reforços para pelo menos amenizar as eventuais pressões da torcida. O atacante Kahê, do Palmeiras, e o meia Tucho, do Atlético Mineiro, são os alvos.A possível contratação de Kahê surpreendeu, porque o jogador, a princípio, estava nos planos do rival Guarani. Mas, a Ponte Preta ganha a disputa por ter oferecido uma proposta mais compensadora, segundo garantiu Wagner Ribeiro, procurador do atacante. Para contratá-lo em definitivo, a Ponte teria que pagar a multa contratual, sendo que metade deste valor ficaria com o Palmeiras e outra metade com seu procurador. Kahê voltou das férias e está treinando com o elenco palmeirense. Isso o deixa animado em continuar no time do Parque Antártica. "Seria legal continuar no Palmeiras, que vai disputar a Copa Libertadores", disse, sem esconder a sua preferência.Quanto a Tucho, as negociações estão bem adiantadas. Encostado no Atlético-MG, ele poderia ser envolvido numa troca com o atacante Weldon, que tem vínculo com a Ponte e está emprestado ao futebol árabe. O maior obstáculo é o salário, cerca de R$ 35 mil. A Ponte Preta busca ainda um zagueiro, mas nenhum nome é comentado, por enquanto.Irritação - O técnico Nenê Santana comandou, debaixo de muita chuva, um coletivo nesta sexta-feira a tarde. Ele não gostou da produção do time, deixando para confirmar a escalação somente após o treino tático programado para a manhã deste sábado. À princípio, o time só vai ter uma mudança, provocada pela contusão do meia Lindomar, que sente dores na virilha. Há duas opções para substituí-lo. Uma delas é mais defensiva, e a mais provável: a entrada do volante Henrique. A outra alternativa é a escalação do garoto Rafael Rodrigues, que participou por alguns minutos na derrota no ABC. A utilização do meia Danilo foi descartada porque sua documentação não está regularizada na CBF. Não está descartada também uma mudança no ataque, com a saída de Roger para a estréia de Romualdo.A tabela, com dois jogos considerados difíceis logo no início, e a falta de tempo para condicionar o elenco na parte física, são as principais reclamações de Nenê Santana: "Infelizmente estas são as condições deste início de temporada, mas temos que encarar esta situação e buscar somar pontos em todos os jogos. Se não der na técnica, precisa ir na raça e disposição", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.