Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Ponte Preta tenta quebrar tabus

A Ponte Preta vai receber o Paysandu, nesta quarta-feira, às 20h30, no estádio Moisés Lucarelli, tentando se manter entre os dez primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, assim poderá sonhar em disputar a Taça Libertadores ou a Copa Sul-Am ericana em 2005. Mas para atingir seu objetivo, o time campineiro lutará contra dois tabus: não vence em casa há 69 dias e não marca um gol há mais de quatro jogos, exatamente 409 minutos.Mesmo com este retrospecto, a Ponte Preta ocupa a nona posição, com 54 pontos. O Paysandu, aos poucos, vai se livrando da ameaça do rebaixamento e chega à Campinas com 46 pontos, em 15º lugar.Para o técnico Nenê Santana, o fato de não vencer no Majestoso "é circunstancial". A última vitória aconteceu dia 18 de agosto sobre o Flamengo, por 1 a 0, gol marcado por Júlio César. Depois empatou três vezes, contra Atlético-MG (1 a 1), Palmeiras (0 a 0) e Botafogo (1 a 1), além de perder para o Paraná (2 a 0) e São Paulo (1 a 0).O técnico ponte-pretano tenta explicar o jejum de gols. "Está faltando tranqüilidade de nossos atacantes na hora da finalização", diz ele. Mas esta é uma falha crônica do time que divide com o rival Guarani a pouco honrosa condição de ter o pior ataque do campeonato, com apenas 31 gols. O ataque não marcou contra Cruzeiro, São Paulo, Santos e Guarani. O último gol aconteceu no dia 29 de setembro, na 33ª rodada, no empate de 1 a 1 com o Botafogo. Mas há um detalhe importante: o gol foi contra, do lateral Ruy, aos quatro minutos do segundo tempo. Totalizando, o time não balança as redes dos adversários há 409 minutos.O clima no Majestoso ficou menos tenso após o empate sem gols com o rival Guarani, na última rodada. Mas só mesmo uma vitória para apagar os últimos tropeços. "Precisamos marcar gols e vencer. É o que a torcida quer", diz, convicto, Nenê Santana.Para o jogo, o time mudará o esquema tático. Santana vai deixar de lado o estranho 4-3-3, usado diante do Guarani, para voltar ao tradicional 4-4-2. A dúvida é quem deixará o ataque para a entrada do meia Lindomar. O mais provável é que Anselmo vá para o banco de reservas, com Alecsandro e Júlio César iniciando o jogo. Eles foram testados no coletivo desta tarde, realizado no Centro de Treinamento para poupar o gramado do Majestoso que foi muito castigado com as chuvas dos últimos dias. Na defesa, Luís Carlos vai substituir Rafael Santos, que cumprirá suspensão automática por ter recebido o terceiro cartão amarelo. Luciano Baiano continuará improvisado na lateral-esquerda no lugar de Bill, junto com o zagueiro Alexandre, vetado pelo departamento médico .

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.