Ponte Preta tenta superar baixas para reverter vantagem do Sport na Sul-Americana

Equipe de São Paulo perdeu por 3 a 1 na partida de ida

Estadão Conteúdo

20 de setembro de 2017 | 06h27

Com algumas baixas, sob comando de técnico interino e preocupado com o futuro no Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta entra em campo nesta quarta-feira contra o Sport, às 19h15, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas (SP), pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. A missão é fazer 2 a 0 e reverter a vantagem, do time pernambucano, que na ida, na semana passada, venceu por 3 a 1.

Na semana passada, os dois times se enfrentaram no estádio da Ilha do Retiro, no Recife, e o Sport conseguiu uma boa vantagem. Assim, a Ponte Preta precisa uma vitória por 2 a 0 para avançar às quartas de final, enquanto que os pernambucanos passam até mesmo com uma derrota por um gol de diferença.

Com apenas duas vitórias nos últimos 11 jogos, o time paulista despencou na tabela de classificação do Brasileirão e está namorando com a zona de rebaixamento, em 15.º lugar com 28 pontos, um a mais que o São Paulo. A derrota para o Atlético Goianiense, em Campinas, no último sábado, resultou na demissão do técnico Gilson Kleina. A diretoria ainda não contratou um novo treinador - aguarda a resposta de Osvaldo Alvarez, o Vadão - e o auxiliar João Brigatti é quem vai comandar o time.

A principal novidade, porém, não é no banco de reservas, mas sim no gol. Com uma lesão na coxa, Aranha interrompe uma sequência de 71 partidas seguidas como titular e dá lugar para João Carlos, que não atua desde o dia 31 de julho de 2016. O time ainda não está definido, mas Brigatti não vai poder contar também com os volantes Fernando Bob (suspenso) e Jadson (lesionado), além do atacante Emerson Sheik, vetado pelo departamento médico com dores na coxa esquerda.

Brigatti vai manter a linha defensiva, os dois volantes - Naldo e Elton - e como novidade a entrada do meia Renato Cajá, que só vinha entrando durante os jogos. O ataque também está mantido com três jogadores: Felipe Saraiva pela direita, Léo Gamalho centralizado e Lucca pelo lado esquerdo na tentativa de quebrar o jejum de oito jogos sem balançar as redes. Ele espera acabar coma má fase. Já tem 20 gols na temporada.

"Nós temos quatro jogadores que poderiam ser titulares, além da limitação da lista de inscritos. Dentro das nossas possibilidades, vamos usar o que temos de melhor. Não vamos fazer nenhuma surpresa, até porque não dá tempo. Só posso dizer que vai ser um time guerreiro e batalhador", disse o interino Brigatti.

Também não passando por um bom momento no Brasileirão, onde não ganha há sete jogos e está na 12.ª colocação com 29 pontos, o Sport vai atrás de um feito inédito: um time pernambucano jamais avançou para as quartas de final na história da Copa Sul-Americana. "Motivação não falta. Temos tudo para fazer história e seguir na competição. A vantagem não é suficiente para relaxarmos. Temos de entrar concentrados na defesa porque eles vão atacar e temos de ser inteligentes", comentou o zagueiro Henríquez.

O defensor, inclusive, está à disposição do técnico Vanderlei Luxemburgo depois de cumprir suspensão automática contra o Flamengo, no último final de semana, na derrota por 2 a 0, no Rio. Além dele, o meia Diego Souza e o lateral-esquerdo Sander estão de volta.

Já o meia Wesley e o atacante Osvaldo retornaram para Recife porque não estão inscritos na Copa Sul-Americana, enquanto que Éverton Felipe só volta em 2018 após romper os ligamentos do joelho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.