Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Djota Carvalho/PontePress
Djota Carvalho/PontePress

Ponte Preta testa variações, mas Kleina não confirma o time para final

Técnico deve optar pela simplicidade para definir as duas dúvidas na defesa

Estadão Conteúdo

28 de abril de 2017 | 16h40

Dentro da programação prevista desde o início da semana, os jogadores da Ponte Preta treinaram nesta sexta-feira cedo no CT do clube com portões fechados. Mais uma vez, o técnico Gilson Kleina testou variações táticas que podem ser utilizadas durante o primeiro jogo final do Campeonato Paulista contra o Corinthians, domingo, às 16 horas, no estádio Moisés Lucarelli. Mas se tudo ocorrer conforme o roteiro, o técnico deve optar pela simplicidade para definir as duas dúvidas na defesa.

É claro que Kleina não revelou, e não o fará antes do jogo. Mas dentro de sua filosofia de trabalho de evitar grandes mudanças, ele deve escalar o experiente Fábio Ferreira no lugar do zagueiro Marllon, suspenso com três cartões amarelos. Na lateral esquerda, Reynaldo deve voltar, após cumprir suspensão, no lugar de Artur, que atuou na derrota para o Palmeiras, por 1 a 0, no segundo jogo das semifinais.

A mais provável formação para iniciar o jogo tem: Aranha; Jeferson, Fábio Ferreira, Yago e Reynaldo; Fernando Bob, Elton e Jadson; Lucca, William Pottker e Clayson. Tanto o lateral-direito Nino Paraíba quanto o meia Renato Cajá, recuperados de lesão muscular, vão ser opções para o jogo. Nino poderia ser usado tanto na direita, sua especialidade, como na esquerda. E Cajá é a alternativa para deixar o time mais ofensivo e com opção qualificada na bola parada.

A comissão técnica conversou bastante com os jogadores para tomarem cuidado com os cartões, mas não vai limitar as ações inclusive dos quatro que estão pendurados com dois cartões amarelos: o lateral Jeferson, o zagueiro Yago e os volantes Fernando Bob e Jadson.

O último treino antes da final vai acontecer neste sábado cedo no gramado do Moisés Lucarelli. Está previsto o tradicional rachão, com portões abertos à torcida.

Este expediente já foi utilizado tanto nas quartas como nas semifinais. O objetivo é que o elenco sinta a vibração da torcida e se mantenha focado na conquista do título. A expectativa é pela presença de perto de dois mil torcedores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.