Ponte Preta vence Corinthians por 2 a 1

Questões políticas e de bom relacionamento impedem o técnico Oswaldo de Oliveira de ser claro em relação ao assunto. Mas já está definido. Daqui para frente, o Campeonato Paulista passa a ser formalidade para o Corinthians. A prioridade será dada à Copa do Brasil. Até que nos dias que sucederam a vitória sobre o Juventus (polêmica virada por 3 a 2), na quinta-feira passada, os corintianos ficaram mais animados com o Estadual.Afinal, voltavam a figurar na zona de classificação. Porém, a derrota deste domingo para a Ponte Preta por 2 a 1, em Campinas, fez com que a decisão de priorizar a competição classificatória para a Taça Libertadores da América de 2005 ganhasse força. Além disso, a apenas duas rodadas do final da primeira fase do Paulista, o Corinthians voltou a escorregar na tabela e agora ocupa o sétimo lugar, com oito pontos. Já a equipe campineira se deu bem. Chegou a 13 e se garantiu na vice-liderança invicta, atrás do São Paulo, que tem 19.Então o pensamento no Parque São Jorge a partir de agora é o seguinte: a força e concentração tem de estar no torneio nacional. Se nesse meio tempo o time conseguir também passar de fase no Campeonato Paulista, ótimo. Do contrário, tudo bem, os próximos jogos - contra América e Portuguesa Santista - podem servir como preparação. O risco de rebaixamento, embora exista, não é iminente o suficiente para despertar preocupações.Muito trabalho - O Corinthians não joga no meio da semana porque eliminou a necessidade da partida de volta ao bater o Botafogo-PB por 2 a 0 na estréia na Copa do Brasil. Assim, Oswaldo terá tempo para trabalhar os pontos críticos do time (e olha que não são poucos).Neste domingo, diante da Ponte, mais uma vez ficou evidente que dificilmente alguma formação tática vai dar certo no atual momento do Corinthians. Como a prioridade é a Copa do Brasil e o próximo jogo acontece daqui duas semanas, contra o vencedor do confronto entre América-RN e Ferroviário-CE, Oswaldo vai quebrar a cabeça nesse período para encontrar o esquema mais adequado.O problema é que os jogadores mais experientes, casos de Rincón, Rogério (neste domingo desperdiçou pênalti) e Fabinho, não rendem o esperado. Tanto na partida diante do Juventus como neste domingo, em Campinas, o treinador precisou recorrer aos garotos para tentar reverter a situação. Até o goleiro Fábio Costa, que começou bem ao defender penalidade, mostrou-se confuso em outros lances, dentre eles o que resultou no segundo gol da Ponte, marcado por Weldon aos 37 minutos do segundo tempo. André Cunha abriu o placar aos 46 do primeiro e Vinícius diminuiu aos 42 do segundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.