Ponte Preta vence o Guará e vai à final do Paulistão

Time campineiro suportou pressão e conseguiu fazer 2 a 1, voltando a uma final do Estadual após 27 anos

Daniel Akstein Batista, O Estado de S. Paulo

19 de abril de 2008 | 20h09

O torcedor da Ponte Preta deve agradecer ao goleiro Aranha. O número 1 foi um dos heróis do time na vitória de 2 a 1 sobre o Guaratinguetá, na noite deste sábado, fora de casa, resultado que colocou os campineiros na decisão do Campeonato Paulista. Na partida de ida, a Ponte havia vencido por 1 a 0. Neste domingo, a equipe aguarda para saber o seu adversário: Palmeiras ou São Paulo.Veja também: Palmeiras e São Paulo: sem guerra pela vaga na finalJogo que vale vaga costuma ter emoção redobrada, um nervosismo exagerado. Os jogadores sempre entram com mais vontade em campo, mais garra. Neste sábado não foi diferente. O duelo em Guaratinguetá teve todos os lances que costumam figurar em uma decisão - até nos seus piores momentos: reclamação com a arbitragem, discussão entre atletas, briga de torcedores (da Ponte) com a polícia. E também gols, lances de perigo, jogadas ensaiadas, pênalti defendido. Foi um jogão!Precisando da vitória, os donos da casa colocaram pressão no adversário nos minutos iniciais. Partiram para cima, trabalharam bem a bola, mas não arriscaram chutes ao gol. Nas suas poucas investidas, a Ponte levava mais perigo que o Guaratinguetá, mas esbarrava no goleiro Fábio. GUARATINGUETÁ1Fábio; Alê, Renato     (Jorge Henrique), Toninho e Jefferson; Magal, Jackson    , Nenê e Michael (Bolívia); Dinei (Caiuby) e Alessandro.Técnico: Guilherme Macuglia PONTE PRETA2Aranha; Eduardo Arroz       , Jean    , César     (João Paulo) e Vicente; Ricardo Conceição, Bilica, Fabiano Campos e Renato     (Wanderley); Luís Ricardo e Danilo Neco (Raulen).Técnico: Sérgio GuedesGols: Nenê, aos 25, e Luís Ricardo, aos 27 minutos do primeiro tempo; Wanderley, aos 33 minutos do segundo tempo.Árbitro: Cléber Wellington AbadeRenda: R$ 285.090,00Público: 9.728 pagantesEstádio: Dario Rodrigues Leite, em Guaratinguetá (SP)Foi então que Michael puxou contra-ataque e tocou para Nenê, livre, fazer 1 a 0 para o Guará, aos 25 minutos. O resultado colocava os donos da casa na decisão do Estadual, mas a Ponte não perdeu tempo e, dois minutos depois, Luís Ricardo usou a cabeça para empatar.CONSAGRAÇÃOO Guará ainda teve a chance de ir para a segunda etapa com a vantagem, mas Michael não aproveitou o pênalti que Alessandro cavou e fez Aranha se consagrar. A segunda etapa não começou com tanta intensidade quanto à primeira. E só melhorou quando o ponte-pretano Eduardo Arroz foi expulso, aos 13 minutos. A partir daí, o Guará partiu para o ataque e o goleiro Aranha virou o personagem principal da partida.Jorge Henrique arriscou e Aranha defendeu. No rebote, Alessandro também parou no goleiro. No lance seguinte, o número 1 fez mais dois milagres. E das investidas do Guará surgiu o contra-ataque da Ponte. Wanderlei, que havia acabado de entrar, deu a vitória para o primeiro finalista do Paulista de 2008.A Ponte Preta chega à sua quarta final do Paulistão na história (77, 79 e 81) e garantiu, no mínimo, seu quinto vice-campeonato, já que o torneio de 70 foi disputado em um quadrangular. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.