Ponte Preta vence Vasco em Campinas

A Ponte Preta não sentiu a perda do atacante Roger, negociado durante a semana com o São Paulo, e mostrando um grande futebol venceu o Vasco da Gama, por 4 a 2, neste domingo à tarde, no Majestoso, em Campinas. Encarregado de substituir o artilheiro do Campeonato Brasileiro, Kahê marcou um dos gols, cobrando pênalti, aos 44 minutos do primeiro tempo. A vitória deixou o time campineiro com 11 pontos, em quinto lugar. A derrota colocou o time carioca com sete pontos, apenas na 16.ª posição. A festa foi total em Campinas, principalmente para Kahê, o novo matador ponte-pretano. "O time todo me ajudou lá na frente. Cobrei o pênalti, porque o Harison me deixou bater", comentou. O companheiro é o cobrador oficial do time, mas sentiu naquele momento que um gol daria moral para o novo titular. "Ele vinha trabalhando muito e o time vencia por 2 a 0", explicou o meia que também marcou seu primeiro gol na competição, depois de 11 jogos de jejum. O meia Danilo também deixou a sua marca pela primeira vez, mostrando que a Ponte, agora sem Roger, vai dividir a responsabilidade dos gols. Este novo estilo de jogo foi treinado durante a semana, com os dois meias encostando no centroavante. E funcionou bem em campo. Harison abriu o placar aos nove minutos, quando dentro da área chutou, a bola desviou em Coutinho e enganou o goleiro Erivélton. Aos 21 minutos, Ângelo recuperou uma bola perdida na linha de fundo e tocou para trás, onde Danilo, na pequena área, bateu forte e no alto: 2 a 0. O terceiro gol saiu aos 44 minutos, em pênalti cobrado por Kahê com categoria, deslocando o goleiro vascaíno. A penalidade foi cometida, sem necessidade, por Alemão que tocou no pé de apoio de Danilo. Perdendo por 3 a 0, o técnico Dário Lourenco tentou deixar seu time ofensivo. Colocou o meia Júnior no lugar de Abedi, aos 25 minutos do primeiro tempo; o atacante Marco Brito entrou no lugar do volante Têti no intervalo e Róbson Luís ocupou a vaga de Coutinho no segundo tempo. Pouco adiantou. O Vasco se adiantou um pouco, mas criou poucas chances diante de um sistema defensivo bem armado e concentrado. Mesmo assim, o time carioca diminuiu aos 28 minutos numa cabeçada do zagueiro Éder, na pequena área, após cruzamento de Marco Brito da linha de fundo. E depois encostou, com Romário, aos 42 minutos, aproveitando rebote do goleiro Lauro que não segurou a falta cobrada com força por Maciel. Nos acréscimos, aos 46 minutos, Rafael Santos ampliou de cabeça após cruzamento de Rissut. O resultado foi justo, num jogo limpo e sem nenhum cartão. Com a paralisação da competição por causa da seleção brasileira, a Ponte Preta voltará a jogar somente dia 11 de junho, sábado, contra o Cruzeiro, no Mineirão. O Vasco, dia 12, receberá em São Januário, o Coritiba, em busca da reabilitação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.