Divulgação/Site Oficial da Ponte Preta
Divulgação/Site Oficial da Ponte Preta

Ponte recua, desiste de contratar Marcelo Chamusca e terá interino na Série B

Ex-goleiro João Brigatti, que já treinou interinamente a equipe neste ano, terá mais tempo para trabalhar

Estadao Conteudo

30 de maio de 2018 | 18h50

Após demitir Doriva e praticamente contratar Marcelo Chamusca, ex-Ceará, a diretoria da Ponte Preta resolveu dar outro rumo para o comando técnico do time. Outra vez o auxiliar técnico fixo, João Brigatti, vai dirigir o time, agora com um prazo maior para mostrar o seu trabalho.

+ Ponte tem 10 dias para exibir documentos e encerrar jogos com torcida única

Com raízes ponte-pretanas, Brigatti, 54 anos, foi goleiro da equipe campineira entre os anos 80 e 90. Desde 2016, é auxiliar-técnico e assumiu o comando do clube em três oportunidades. Em uma delas, entre Eduardo Baptista e Doriva, agora em 2018, conduziu a equipe na conquista do Título do Interior no Campeonato Paulista.

"João Brigatti é funcionário do clube e o treinador interino, com o compromisso de desempenhar a função diante dos compromissos que temos pela frente. Não sei quanto tempo isso pode durar, mas hoje ele é o treinador da Ponte Preta", afirmou o presidente José Armando Abdalla. Só não revelou que Chamusca ganharia perto de R$ 60 mil, enquanto Brigatti recebe metade deste valor.

O ex-auxiliar terá dois jogos em menos de cinco dias para definir sua situação. O clube campineiro, que não vence desde o dérbi contra o Guarani, por 3 a 2, enfrenta o Oeste neste sábado, no estádio Moisés Lucarelli, ainda com portões fechados.

Na terça-feira, o time terá pela frente o Goiás, também em Campinas e com portões fechados pela punição de seis jogos imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Flertando com a zona de rebaixamento, a Ponte Preta aparece apenas na 15ª colocação, com sete pontos, um a mais do que o CRB, que abre a zona do descenso.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPonte Preta

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.