Ponte sem pressa de definir técnico

Apesar da confirmação da saída do técnico Estevam Soares, a direção da Ponte Preta não tem pressa para escolher um novo treinador para o restante do Campeonato Brasileiro. Alguns contatos começaram a ser feitos nesta terça-feira, mas em princípio o supervisor Ronaldão de Jesus, ex-zagueiro do São Paulo e da Ponte, vai comandar os treinamentos e, talvez, dirigir o time diante do Juventude, sábado, no Majestoso. Pela manhã, o ex-técnico se despediu dos jogadores e da diretoria. A partir daí, o vice-presidente de futebol, Marco Antônio Eberlin, passou a iniciar alguns contatos. "temos muitos nomes, mas vamos fazer a escolha com calma", explicou o dirigente. O primeiro tentado foi mesmo Marco Aurélio Moreira, que começou a carreira no clube e mora em Campinas. O acerto, em princípio, parece difícil porque o clube não abre mão de seu teto salarial de R$ 20 mil mensais. A pedida do técnico seria bem mais alto, perto de R$ 80 mil, o que inviabiliza o acordo. Além disso, Marco Aurélio tem até o dia 5 de junho para responder sobre uma proposta do Vitória de Guimarães, de Portugal. Fora a Ponte, Marco Aurélio comandou Palmeiras, Vitória-BA e Cruzeiro. Já passou também uma temporada no futebol japonês. Outros nomes estão na lista da diretoria. Um deles é de Vágner Benazzi, do Criciúma. Outro é Luiz Carlos Ferreira, do Sport Recife. Em termos domésticos, há três possibilidades: Antônio Augusto, o Pardal, que já dirigiu o time duas vezes, e Nicanor de Carvalho Júnior, que também já conhece bem a estrutura do clube, onde atuou como fisicultor e técnico. A terceira é Wanderley Paiva, ex-volante do lendário time de 1977, vice-campeão paulista, e que também já passou pelo Majestoso como técnico. Nesta temporada, ele foi campeão goiano com o Crac de Catalão. Com relação ao jogo, o novo técnico terá várias opções. Os volantes Marcus Vinícius e Ângelo, além do lateral-esquerdo Bill, que estavam suspensos, retornam ao time que deve ser definido somente no coletivo marcado para quinta-feira à tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.