Ponte tenta usar eliminação do Palmeiras como motivação

Técnico Sérgio Guedes quer que elenco acredite em vitória diante do rival para conquistar o Paulistão

Redação,

01 de maio de 2008 | 19h01

Para a Ponte Preta, a eliminação do Palmeiras na Copa do Brasil pode servir como um fator motivacional para a decisão do título paulista, domingo à tarde, no Palestra Itália. Para convencer seus jogadores de que "ainda é possível", a comissão técnica conversou bastante com o elenco e tentou arrumar argumentos para manter acessa a esperança de ser campeão.Veja também: Luxemburgo afirma que Palmeiras não se abalará com goleada Luxemburgo tenta agredir dirigente do Sport Recife Paulistão: Cléber Abade é quem vai apitar a final Serviço: para quem vai ao Palmeiras x Ponte Preta"Se o Sport os venceu, então nós também podemos vencê-los. Mas precisamos nos doar ao máximo, porque todos sabem do poderio do Palmeiras", comentou o técnico Sérgio Guedes. O seu auxiliar técnico, Everaldo Pierroti, também manteve a mesma linha de raciocínio. "Antes se tinha uma imagem de que o Palmeiras era invencível, mas ficou provado, que não é", concluiu.A desvantagem, segundo o capitão César, é que "o Palmeiras agora só vai ficar concentrada numa competição". Os jogadores, no entanto, também entraram no clima de confiança, como o meia Renato, artilheiro do time com oito gols e que volta após cumprir suspensão automática. "Sempre é necessário acreditar. Eu já passei por isso", disse o meia, que em 2006 sagrou-se campeão da Copa FPF com a Ferroviária, vencendo o Bragantino, o grande favorito, em Bragança Paulista, por 1 a 0. O desafio, agora, é mais complicado ainda porque com a derrota inicial, por 1 a 0, a Ponte Preta precisa vencer por dois gols de diferença no Palestra Itália. O Palmeiras entrou na decisão com a vantagem de atuar por dois resultados iguais ou pelo mesmo saldo de pontos e gols por ter a melhor campanha na temporada.SEM CENSURAA diretoria não questionou a escalação do árbitro Cléber Wellington Abade para a decisão. Para o presidente Sérgio Carnielli, "o juiz não faz gol" e para o diretor de futebol, Sebastião Arcanjo, o Tiãozinho, "há plena confiança nos juízes indicados pela Federação Paulista". Apesar do discurso, Abade não traz boas lembranças para a Ponte Preta. Ele dirigiu o jogo semifinal em Guaratinguetá, que definiu a presença do time campineiro na final do Paulistão. Mas na ocasião abusou dos cartões amarelos, suspendendo o zagueiro César e o meia Renato, com cartões amarelos, e expulsando o lateral-direito Eduardo Arroz.

Tudo o que sabemos sobre:
Ponte PretaPalmeirasPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.