Ponte vai reduzir 30% de sua folha

Para se adequar à difícil realidade do futebol brasileiro, a diretoria da Ponte Preta faz planos para reduzir em 30% a sua folha de pagamento, que gira em torno de R$ 600 mil mensais. Para atingir seu objetivo, o clube pretende dispensar alguns jogadores do atual elenco, abrindo espaço para os conhecidos "pratas da casa". "Vamos deixar nossa folha dentro de um patamar real, próximo dos R$ 400 mil. Não podemos fazer loucura, tanto que vamos manter nossa filosofia de pés no chão", explicou o vice-presidente de futebol Marco Antônio Eberlin. Na prática, a redução será conseguida com a venda de alguns jogadores. Os mais cotados para deixar o Majestoso são o volante Mineiro, que estaria nos planos do Cruzeiro, e o artilheiro Washington, pretendido pelo São Paulo. A diretoria, porém, desmentiu que tivesse recebido uma proposta oficial do São Paulo no valor de US$ 3 milhões. Outros jogadores que estão no clube apenas por empréstimo também devem sair, como o meia Marco Aurélio, do Flamengo, o ala-esquerdo André Silva, do Vasco da Gama, e o atacante Macedo, do Grêmio. O clube também admite emprestar alguns jogadores, como o meia Adrianinho, que estaria nos planos do Atlético Paranaense e do Palmeiras. Esta grande mudança no elenco vai atrasar a chegada de reforços para a temporada 2002. A idéia da direção é entregar à comissão técnica uma relação de jovens valores revelados no time de juniores ou que estejam participando da final do Campeonato Paulista da Série B-3 pela Ponte-Sumaré, filial do clube na sexta divisão. "Só vamos contratar em posições carentes e dentro de nossas possibilidades financeiras", garante Eberlin, que promete fechar a "torneira" no clube que, pela primeira vez no ano, atrasou o pagamento de salário de novembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.