Ponte veta Washington no Corinthians

A direção da Ponte Preta não admite qualquer tipo de negócio com o Corinthians, que estaria pretendendo levar o atacante Washington para o Parque São Jorge. Não existe nenhuma intenção de abrir negociações sobre qualquer jogador, mesmo porque os dois clubes ainda têm uma pendência jurídica por causa da venda do passe do zagueiro Fábio Luciano. "O Corinthians precisa fazer os negócios de forma limpa. Eles não vão conseguir tirar o Washington do jeito que pretendem", disse, irritado, o vice-presidente da Ponte, Marco Antonio Eberlin. A idéia do Corinthians é pagar a multa rescisória do contrato que a Ponte tem com o jogador até dezembro de 2002. O valor, segundo levantamento do time da capital, seria perto do US$ 1 milhão. "Não é verdade. O Valor é bem maior e não seria uma forma lícita do Corinthians tentar se reforçar", completou Eberlin.O dirigente da Ponte reforçou ainda que o próprio Corinthians terá que trocar a garantia da pendência que está na Justiça referente a Fábio Luciano. A Ponte cobra perto de US$ 1 milhão, enquanto o Corinthians interpreta o contrato de maneira diferente, acreditando ter quitado seu débito. Para manter a briga jurídica, o Corinthians ofereceu como garantia o passe do zagueiro João Carlos, avaliado em US$ 4 milhões. Como, na legislação, não existe mais passe, o Corinthians será obrigado a trocar sua garantia.Ainda sobre Washington, a assessoria de imprensa do clube divulgou uma nota garantindo que a situação não é semelhante ao de Ronaldinho Gaúcho, do Grêmio. E que se o caso for parar na Justiça do Trabalho ele poderia se enrolar por vários anos.O destino de Washington deve mesmo ser o exterior. A Ponte já teria recebido duas propostas nos últimos meses, mas não teria acontecido um acordo. O passe do atacante ficou valorizado após ele marcar tantos gols neste primeiro semestre, se tornando o artilheiro do Campeonato Paulista, com 16 gols, e da Copa do Brasil, com 11. Além disso, ele foi convocado para a seleção brasileira, onde marcou dois gols. Seu passe estaria avaliado em US$ 6 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.