Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Por adaptação à altitude, Tite muda estratégia em preparação da seleção

Técnico desiste de fazer treinos no Brasil antes de enfrentar o Equador

Almir Leite, enviado especial a Quito, O Estado de S. Paulo

29 Agosto 2016 | 07h00

Três treinos. É tudo o que o técnico Tite terá para montar o time para o jogo com o Equador, pelas Eliminatórias, que marcará sua estreia no comando do Brasil. Além do tempo curto, há uma outra dificuldade relacionada ao confronto de quinta-feira, pela sétima rodada do classificatório para a Copa da Rússia: a altitude. Quito, local da partida, está 2.850 metros acima do nível do mar.

O fato de jogar na altitude levou a comissão técnica a desistir de programar a preparação, ou pelo menos parte dela, no Brasil – os treinamentos serão feitos na capital equatoriana. O objetivo é fazer com que os jogadores tenham a melhor adaptação possível ao ar rarefeito, que tem como efeitos falta de ar, tonturas, dor de cabeça e enjoo.

Tite bem que gostaria de treinar no País e de ter mais tempo para preparar a equipe. Mas com o Brasil em situação delicada nas Eliminatórias – é o sexto colocado, embora esteja apenas a quatro pontos do ponteiro Uruguai e também do Equador, que ocupa a segunda posição na tabela pelo saldo de gols –, sua preocupação maior é que o time obtenha bons resultados tanto na quinta-feira como também contra a Colômbia, dia 6 de setembro, em Manaus.

E a decisão de treinar somente em Quito para essa primeira partida passa por essa necessidade de subir rapidamente na classificação. "Eu não posso trabalhar em cima do ideal, tenho de trabalhar em cima do fato real", justificou o treinador. "E o fato real é o Equador, é a nossa preparação, esse grau de intensidade. Se tiver altitude, é com altitude. Monta-se estratégia, monta-se condições dentro dessa nossa realidade, para fazer (a equipe) jogar bem e ter bons resultados. Esse é o objetivo."

A partida entre Equador e Brasil está marcada para as 16h locais (18h de Brasília) e os treinos ocorrerão no horário do jogo, com exceção do de hoje, que começa um pouco mais tarde, às 16h30. A decisão também visa a facilitar a adaptação.

Tite espera contar com o grupo completo já nesse treinamento, que será realizado no Estádio Casa Blanca, que pertence à Liga Deportiva Universitaria (LDU). A delegação vinda do Brasil tinha chegada prevista a Quito para o começo da madrugada de hoje. Do Rio, viriam a comissão técnica e os jogadores que atuam no futebol brasileiro, além de Neymar e o trio da China, Renato Augusto, Gil e Paulinho. Os que trabalham na Europa começaram a chegar na noite de ontem em Quito.

Neymar e os chineses, aliás, treinaram na semana passada separadamente no CT do Corinthians, principalmente com o objetivo de aprimorarem a forma física

Nesse início de trabalho, Tite já enfrenta um problema que esteve presente em todas as convocações feitas por seu antecessor, Dunga: a mudança forçada no grupo original de jogadores. Desta vez, o zagueiro Pedro Geromel, do Grêmio, foi chamado no sábado para ocupar o lugar de Rodrigo Caio, do São Paulo, que está contundido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.