Palmeiras
Palmeiras

Por caminhos diferentes, Santos e Palmeiras encontram na base solução para seus problemas

Finalistas da Libertadores tiveram ascensão depois de dar oportunidade no time principal a jogadores que subiram do sub-20

Ciro Campos e João Prata, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2021 | 11h00

Santos e Palmeiras, em comum, chegaram a decisão da Libertadores apostando na mescla entre jogadores da base e peças chave com mais experiência. Mas a maneira como encontraram a formação ideal foi bem diferente. O time alvinegro enfrentava crise financeira e estava proibido pela Fifa de contratar jogadores. A equipe alviverde dispensou contratações milionárias que não deram certo e, mesmo com dinheiro em caixa, optou por dar oportunidade aos mais jovens.

O Palmeiras também fez apostas que deram certo. Encontrou, por exemplo, o atual capitão do time, Gustavo Gómez, quase esquecido na reserva do Milan em meados de 2018. O paraguaio só havia atuado por dez minutos na última temporada da Itália e estava no radar de Boca Juniors e Flamengo. A negociação com o time alviverde foi complicada. O zagueiro aceitou vir após ter conversado com o então diretor de futebol, Alexandre Mattos, e o atacante Lucas Barrios, que teve participação decisiva no convencimento do atleta.

Em julho de 2019 um outro titular deste elenco da Libertadores chegou ao clube. O atacante Luiz Adriano quis deixar o Spartak Moscou, da Rússia, e voltar ao futebol brasileiro após 13 anos no exterior. Mattos conduziu a negociação com o empresário do jogador, Gilmar Veloz. Ainda restavam dois anos de contrato. A decisão de trazer Luiz Adriano foi para repor as futuras saídas de Borja e Deyverson.

Rony chegou ao clube só em 2020, mas a aproximação dele com o Palmeiras teve início dois anos antes. O jogador esteve na Academia de Futebol e até fez exames médicos no começo de 2018, porém detalhes impediram a contratação. O clube continuou a monitorar a situação do atleta e no início desta temporada fechou a compra por R$ 28 milhões.  

Somaram a eles a base de um elenco de garotos que venceu quase tudo que disputou na base. Trabalho de sucesso graças ao garimpo da comissão técnica que encontrou, por exemplo, o meio-campista Danilo, em 2018, no Cajazeiras, na segunda divisão da Bahia, e o volante Patrick de Paula, na Taça das Favelas.

Wesley Carvalho, técnico do sub-20 do Palmeiras, contou que o clube tem sete observadores que acompanham as competições de base pelo País e também conta com ajuda de parceiros no exterior. E lembra que todos tem a experiência de serem protagonistas em conquistas da base. 

"A expectativa (de vê-los ser protagonistas no profissional) era grande pelo fato de os mesmos já terem passado por esse processo numa categoria menor, nas disputas do Brasileiro Sub-20 (campeões em 2018 e vice-campeões em 2019), Paulista Sub-20 (tricampeões) e Copa do Brasil Sub-20 (campeões) e terem assumido o protagonismo na categoria como está acontecendo agora." 

Cuca transforma o Santos

O Santos, no ano passado, ficou impedido pela Fifa de contratar jogadores, teve impeachment do presidente, foi eliminado precocemente do Paulistão e até hoje deve salário para o elenco. Dentro de campo, superou todas as adversidades, apostou em um técnico experiente e chegou à decisão da Libertadores, mais uma vez, com ajuda fundamental dos Meninos da Vila. 

Quando assumiu, em agosto, Cuca disse que só o trabalho poderia salvar o time e repetiu, em diversas entrevistas, a frase clichê de fazer do elenco uma família. Em seis meses, contou com a excelente fase de Marinho e Soteldo, além do capitão Alison, que souberam dar tranquilidade aos mais novos.

Em uma participação no programa Bem, Amigos, do SporTV, Cuca chegou a agradecer a punição da Fifa, pois por causa disso descobriu garotos da base. "Poderia não ter acertado em algumas contratações e os nossos jogadores não terem a mesma resposta desses meninos", opinou.

O time profissional tem oito jogadores de até 21 anos: o atacante Marcos Leonardo (17), o zagueiro Derick e o meia Ivonei (18); o atacante Kaio Jorge e o meia Lucas Lourenço (19); os zagueiros Alex Nascimento e Wagner Leonardo (20) e o atacante Taílson (21). Em recente entrevista ao Estadão, Cuca comentou sobre o fato de a ausência de público nos estádios facilitar a promoção desses atletas.

"São coisas que não tem como a gente medir, não dá para saber. É difícil falar, mas eles têm uma menor pressão. Se um jovem perder um gol e a torcida reclamar, não sei como ele reagiria, Teria que ter uma parâmetro sem torcida e depois com torcida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.