Elvis Gonzalez/EFE
Elvis Gonzalez/EFE

Por crise no país, jogadores do Chile pedem e amistoso com o Peru é cancelado

Por crise no país, atletas decidiram não jogar nesta terça-feira, em duelo que seria realizado na cidade de Lima

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2019 | 15h44

A crise no Chile, com protestos diários em várias cidades, afetou mais uma vez o futebol. Uma semana depois de cancelar o amistoso em casa contra a Bolívia, que seria realizado nesta sexta-feira, na cidade de Concepción, a seleção nacional não jogará mais contra o Peru, na próxima terça, em Lima. A Federação Chilena de Futebol (ANFP, na sigla em espanhol) anunciou em nota nesta quarta que os jogadores pediram para não entrarem em campo enquanto a situação caótica não se resolve.

O colombiano Reinaldo Rueda, técnico da seleção, até já liberou todo o elenco da concentração de maneira imediata. Desta forma, todos ficam liberados para se reapresentarem aos respectivos clubes. "A Federação Chilena de Futebol já comunicou a situação ao seu homólogo peruano", disse o comunicado oficial.

Na noite de terça-feira, o volante Charles Aránguiz, ex-Internacional e atualmente no Bayer Leverkusen (Alemanha), havia pedido cancelamento do amistoso por causa da crise chilena. "Há um ambiente difícil. Minha opinião é que não deveria ser jogado, para respeitar o que está acontecendo no país", afirmou.

O capitão chileno Gary Medel se pronunciou nas redes sociais e disse que era preciso respeitar a crise social e política pela qual a sua nação passa. "Somos jogadores de futebol, mas acima de tudo somos pessoas e cidadãos. Representamos um país completo e hoje o Chile tem outras prioridades... O partido mais importante é o da igualdade, o de mudar muitas coisas para que todos os chilenos vivam em um país mais justo", escreveu.

A crise no Chile respingou também na seleção sub-23, que desistiu de jogar o Torneio de Tenerife, na Espanha, que serve de preparação para o Pré-Olímpico que será disputado em janeiro na Colômbia. Os chilenos entrariam em campo nesta quinta-feira contra a Argentina em uma das semifinais - a outra é entre Brasil e Estados Unidos. Um time local das Ilhas Canárias será o substituto.

No lado peruano, muitas lamentações. "Estamos buscando um rival. Acho que não podemos fazer isso da noite para o dia, mas estamos procurando um 'plano B' para isso. Veremos a decisão de Ricardo (Gareca, técnico) de continuar ou não com o treinamento", afirmou o diretor de esportes da Federação Peruana de Futebol (FPF, na sigla em espanhol), Juan Carlos Oblitas.

O dirigente também mostrou desconforto com a situação e disse que isso é inconcebível, pois haviam confirmado o jogo há meses. "Estamos nos reunindo com o presidente para definir esta questão. Inclusive, o Chile nos adiantou que viajaria na sexta-feira. Há dois dias, viriam a Lima, agora avisam que são os jogadores que não querem vir. Não respeitam a parte do esporte", comentou. O grupo do Peru está nos Estados Unidos, onde enfrenta a Colômbia, no Hard Rock Stadium, em Miami, nesta sexta.

Para Entender

Programação de tv

Veja as principais atrações esportivas do dia

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.