Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Por falta de pagamento do Corinthians, sede do Parque São Jorge fica sem luz

Local está sem energia desde sexta-feira, mas não causa prejuízos pois está fechado para sócios desde 18 de março

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2020 | 10h00

Sede social do Corinthians, o Parque São Jorge está às escuras desde a última sexta-feira. O clube não efetuou o pagamento da conta de luz referente ao mês de março e a energia do local foi cortada.

O Parque São Jorge conta com geradores, que estão funcionando, mas não são suficientes para suprir algumas necessidades. A falta de energia não causou tantos prejuízos porque a sede do clube está fechada para sócios desde o dia 18 de março como medida de prevenção à pandemia do novo coronavírus.

Em nota oficial, o Corinthians explicou que o corte na energia do Parque São Jorge foi causado por um erro de logística provocado pelas mudanças na rotina de trabalho em razão do coronavírus.

"O Sport Club Corinthians Paulista informa que em virtude da mudança na rotina de trabalho em home office devido à pandemia do Covid-19 houve um erro em função do rodízio de funcionários e foi suspenso o fornecimento de energia da sua sede", informou o clube, que também comunicou que a energia deve ser restabelecida nesta segunda-feira.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) suspendeu no dia 24 de março os cortes no fornecimento de energia por falta de pagamento das contas de luz por 90 dias em razão da covid-19.

A medida vale para todos os consumidores residenciais e também para serviços essenciais - como unidades de saúde e hospitais, serviços de entrega de alimentos e metrô, por exemplo. Logo, o Parque São Jorge não entra nessa relação e só voltará a ter energia quando o pagamento da conta de luz for efetuado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.