Beawiharta Beawiharta/Reuters
Beawiharta Beawiharta/Reuters

Por feitos no futebol, David Beckham recebe prêmio presidencial da Uefa

Cerimônia acontecerá dia 30, em Montecarlo, Mônaco. No mesmo dia acontecerá o sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões

Estadão Conteúdo

21 Agosto 2018 | 11h40

Os feitos do inglês David Beckham no futebol não foram esquecidos pela Uefa. Nesta terça-feira, o presidente da entidade que comanda o futebol europeu, o esloveno Aleksander Ceferin, anunciou que o ex-jogador e hoje dirigente vai receber o prêmio presidencial da Uefa, dado a personalidades do futebol que em suas carreiras contribuíram de alguma forma para o desenvolvimento do esporte.

A entrega do prêmio a David Beckham - que fez história em clubes como Manchester United, Milan e Real Madrid, além da seleção da Inglaterra - será feita durante a cerimônia de premiação da Uefa aos melhores da temporada passada, que acontecerá no próximo dia 30 em Montecarlo, no Principado de Mônaco. No mesmo dia acontecerá o sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões.

"O Prêmio Presidente reconhece feitos notáveis, excelência profissional e qualidades pessoais exemplares", disse Aleksander Ceferin. "Escolhi David Beckham como o contemplado com o prêmio deste ano porque tem sido um embaixador global do futebol, promovendo a modalidade e os seus valores pelo mundo. Os seus esforços humanitários incansáveis, que ajudaram a vida de inúmeras crianças, também devem ser elogiados. Beckham é um verdadeiro ícone futebolístico da sua geração", completou.

David Beckham cumpriu um total de 762 jogos, por clubes e seleção inglesa, tendo marcado 130 gols e dado inúmeras assistências, em uma carreira que durou mais de 20 anos. Entre os títulos, destaque para o da Liga dos Campeões em 1999 pelo Manchester United. Em uma final emocionante contra o Bayern de Munique, em Barcelona, vitória de virada por 2 a 1 com os dois gols nos últimos minutos.

"É uma honra receber o Prêmio Presidente da UEFA", afirmou David Beckham, que foi o primeiro inglês a participar de 100 jogos na Liga dos Campeões. "Durante a minha carreira dei sempre 100% e tentei respeitar ao máximo valores como o trabalho de equipe e o 'fair play', por isso estou orgulhoso por me juntar à ilustre lista de jogadores que já foram distinguidos com este prêmio. Muitos dos momentos inesquecíveis que vivi em campo foram na Liga dos Campeões, tal como a noite mágica em Barcelona, em 1999, quando vencemos o Bayern de forma tão emocionante".

O prêmio presidencial da Uefa existe desde 1998 e já agraciou nomes como os ingleses Bobby Robson (2002) e Bobby Charlton (2008), o italiano Paolo Maldini (2003), os holandeses Frank Rijkaard (2005) e Johan Cruyff (2013), o espanhol Alfredo Di Stéfano (2006), o português Eusébio (2009) e o alemão Franz Beckenbauer (2012). No ano passado, o homenageado foi o italiano Francesco Totti.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.