Bruno Cantini/Atlético-MG
Bruno Cantini/Atlético-MG

Por fim de derrocada, Atlético-MG joga contra o Palmeiras no Independência

Time mineiro está na 6ª posição, última que se classifica para a Libertadores, e enfrenta concorrência de Santos e Atlético-PR

O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2018 | 14h11

Em franca decadência no Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG vai a campo às 17 horas deste domingo, no estádio Independência, em Belo Horizonte, pela 33.ª rodada, para desafiar ninguém menos do que o Palmeiras. O duelo contra o líder pode confirmar a despencada mineira na tabela de classificação ou marcar a recuperação na disputa por vaga na próxima edição da Copa Libertadores.

O Atlético-MG está em sexto lugar, com 46 pontos. A posição no torneio é a última que garante lugar na competição continental de 2019, mas existe a concorrência de Santos e Atlético-PR, que já estiveram na zona de rebaixamento do Brasileirão, mas combinaram arrancadas com a má fase atleticana.

O time mineiro não vence desde 30 de setembro, quando goleou o Sport por 5 a 2, pela 27.ª rodada, em casa. Na sequência, em Belo Horizonte ou fora, foram quatro derrotas e um empate. O único ponto conquistado foi no estádio Independência, no empate por 0 a 0 contra o América-MG.

A diretoria tomou duas atitudes para contar a derrocada - ambas sem efeito, por ora. O técnico Thiago Larghi, que comandou o time durante em 29 rodadas, foi demitido em 17 de outubro e substituído por Levir Culpi, que acumula três derrotas em três partidas até aqui. O acúmulo de maus resultados resultou também na demissão do diretor de futebol Alexandre Gallo.

Levir Culpi não revelou a escalação do Atlético-MG para a partida contra o Palmeiras. O único desfalque é o do meio-campista Matheus Galdezani, suspenso. Por outro lado, Luan e Patric, indisponíveis contra o Grêmio por acúmulo de cartões amarelos, vão ficar à disposição. A maior dúvida é na armação do time, entre o uruguaio Terans e o equatoriano Cazares.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.