Por liderança, Luxemburgo escala titulares no Santos

O técnico Vanderlei Luxemburgo tem um motivo forte para escalar todos os titulares do Santos no jogo contra o Paulista, domingo, na Vila Belmiro. Afinal, o time corre o risco de perder a liderança para o São Paulo, segundo colocado, que tem um ponto a menos e que enfrenta o Juventus, sábado, no Pacaembu. O adversário, contudo, também desperta preocupação: vem subindo na classificação e já é o quarto colocado, com apenas quatro pontos atrás do Santos - 25 a 21."É um confronto direto e se ganharmos o jogo, abriremos uma boa vantagem, ficando com uma ´gordurinha´ a mais", diz o meia Pedrinho, que aponta os três próximos jogos como decisivos para aproximar o time das semifinais do Estadual. Isso porque o próximo jogo pela Libertadores será apenas no dia 14, contra o Gimnasia y Esgrima, da Argentina. "Podemos voltar nossas atenções para o Campeonato Paulista e procurar manter o bom desempenho."Os jogadores entendem que não há necessidade de poupar titulares, porque a situação é bem diferente daquela dos dias que antecederam a partida do último domingo contra o Marília, no interior. Os titulares tiveram de correr muito em San Juan de Pasto, na Colômbia, para ganhar os três primeiros pontos da fase de grupos da Libertadores, contra o fraco Deportivo Pasto. E o desgaste foi ainda maior na retorno da delegação ao Brasil, numa viagem que durou 17 horas e só terminou 32 horas antes do início do jogo em Marília.O cansaço dos jogadores na véspera do jogo era tão grande a ponto de Luxemburgo ter concluído que o risco de derrota seria maior se jogassem todos os titulares. E após um recreativo, dispensou o time principal, à exceção de Fábio Costa e Rodrigo Souto. A estratégia deu certo graças a um gol de Avalos, que selou a vitória nos minutos finais.Agora a situação é diferente. No treino da manhã desta sexta-feira, alguns jogadores ainda se queixavam de cansaço por causa do forte ritmo imposto pelo Defensor Sporting, cuja média de idade é de 22 anos. "Quando eram atacados, todos ficavam atrás da linha da bola, o que nos dificultou demais e fazia com que errássemos muitos passes. E com a bola, partiam em bloco para o ataque", explicou Rodrigo Souto. Mas, como o jogo será na Vila Belmiro e no começo da noite de domingo, ninguém vê sentido em ficar de fora.Pedro promete ficarO lateral-direito Pedro foi curto e grosso: "Vou cumprir o meu contrato com o Santos", afirmou.. Com onze jogos e três gols, ele pode já ter encerrado sua passagem pela Vila Belmiro. Na noite de quinta, após a suada vitória sobre o Defensor, Vanderlei Luxemburgo se irritou ao explicar por que não escalou o jogador, e sim Denis, que ainda não está em sua melhor forma - ficou quatro meses afastado por causa de uma cirurgia no joelho. "Pedro disse que não assina o novo contrato sem a presença do seu procurador e enquanto a situação não se revolver, ele está fora", afirmou.Luxemburgo conhecia as qualidades e defeitos de Pedro desde o período em que trabalharam juntos no Palmeiras, em 2002. Um lateral que ataca como ponta e tem forte chute de direita, mas tem fama de gostar da noite. Com o aval do técnico, o clube acertou com o jogador um contrato de apenas quatro meses, mas com uma cláusula que lhe garantindo o direito de renovação até 31 de dezembro e depois por mais quatro anos, com a aquisição de 50% dos direitos, hoje pertencentes ao empresário Juan Figer.Como Pedro agradou e rapidamente teve seu nome gritado pela torcida, Luxemburgo quis antecipar a assinatura do segundo contrato e ficou sabendo que o procurador do jogador, Teodoro Fonseca, está fora do Brasil, com o conhecimento de Figer, tentando negociar o jogador para algum clube da Ásia ou do Leste Europeu. Irritado, Luxemburgo tirou Pedro do jogo contra o Defensor. Depois do treino da manhã desta sexta-feira, o lateral evitou ao máximo o contato com a imprensa.PatrocínioO presidente Marcelo Teixeira deve revelar neste sábado os valores e a duração do contrato de patrocínio da camisa do futebol com a Semp Toshiba, durante a comemoração do primeiro aniversário do escritório do clube em São Paulo. Desde o início do ano, quando acabaram os contratos com a Panasonic, o time alvinegro está sem patrocinadores na camiseta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.