JF Diorio/ Estadão
JF Diorio/ Estadão

Por R$ 27 milhões, ex-agente de Gabriel Jesus recorre de decisão da Justiça

Fábio Caran cobra 22,5% da venda para o Manchester City

O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2016 | 12h34

A saída de Gabriel Jesus para o Manchester City, da Inglaterra, segue agitando os bastidores do Palmeiras. Segundo o portal UOL, Fábio Caran, ex-agente do atacante, entrou com recurso no Tribunal de Justiça de São Paulo para forçar o clube a mostrar o contrato de venda do atleta e/ou depositar cerca de R$ 27 milhões em juízo.

Estima-se que Gabriel Jesus tenha sido negociado por cerca de R$ 121 milhões. Destes, nada foi repassado a Caran, que por sua vez, era dono de 22,5% dos direitos econômicos do jogador. A equipe alviverde, contudo, utilizou uma ação judicial para obter a parte do agente, por crer que o mesmo tenha quebrado o contrato.

Fábio Caran entrou com recurso para tentar reverter a decisão da Justiça, que negou o pedido de uma liminar que obrigava o time a depositar o valor. 

Buscando seu percentual, o ex-agente usou como prova mensagens em que Jesus critica o Palmeiras e o presidente Paulo Nobre. Após isso, a Justiça colocou o processo sob sigilo.

ENTENDA O CASO

Em 2014, quando aconteceu a última renovação de contrato do atacante, o clube paulista precisou ceder 70% do lucro de uma futura venda, para atender às exigências dos empresários (Cristiano Simões e Caran). O primeiro, por meio da CR Sports, recebeu 47,5% dos direitos. Já o segundo, ficou com 22,5% através da empresa Naima Ferreira Ltda, que pertence à mulher de Caran.

No contrato, entretanto, existia uma cláusula que proibia o repasse e venda do percentual para qualquer outra empresa. A pena variava entre multa e perda dos direitos. 

Sendo assim, o Palmeiras acredita em uma quebra de contrato por parte da Naima, que, em 2015, vendeu 99% da empresa aos empresários Mahmud Ayesh e Marco Francisco Lopez Redondo, se tornando sócia minoritária, com 1%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.