Pedro Souza / Atlético-MG
Pedro Souza / Atlético-MG

Por vaga na semifinal, Cruzeiro defende boa vantagem e Atlético-MG busca façanha

Equipe comandada por Mano Menezes fez 3 a 0 na partida de ida, no Mineirão

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

17 de julho de 2019 | 07h50

O representante mineiro nas semifinais da Copa do Brasil começou a ser definido na semana passada, mas só será conhecido nesta quarta-feira, quando os rivais Atlético e Cruzeiro se enfrentarão a partir das 19h15, no Independência, com espíritos bem definidos: a busca por uma façanha de um lado e os pés no chão para evitá-la no outro, confirmando o favoritismo conquistado dentro de campo.

Na última quinta-feira, a balança pendeu para o lado do Cruzeiro. No Mineirão, com ótima atuação de Pedro Rocha e precisão para aproveitar as falhas do rival, venceu o Atlético por 3 a 0 e ficou muito próximo de avançar às semifinais, podendo perder por até dois gols de diferença nesta quarta para se classificar - qualquer triunfo da equipe alvinegra por três gols de diferença levará a definição da série aos pênaltis.

O duro revés abalou o Atlético-MG em uma semana complicada para o clube, que no dia seguinte ao clássico anunciou a aposentadoria do volante Adílson, que já havia ficado de fora do clássico por causa de um problema cardíaco - ele passou a fazer parte da comissão de Rodrigo Santana, efetivado na função de técnico na intertemporada.

A raridade na Copa do Brasil do feito que o Atlético buscará nesta quarta-feira pode ser um indicativo do desafio que se impõe ao time. Afinal, em 31 edições da competição, apenas oito vezes um clube conseguiu reverter a desvantagem de ter perdido o confronto de ida por três gols de diferença, avançando de fase.

Além disso, a meta também é rara no clássico mineiro, pois a última vez em que o Atlético venceu o rival por três gols de diferença - resultado que levaria o confronto aos pênaltis - foi no jogo de ida da final do Estadual em 2012. Também em uma decisão do Mineiro, a de 2007, vem a última partida em que bateu o Cruzeiro por um placar que lhe daria a classificação direta - 4 a 0.

Para buscar um resultado de conotação histórica, o Atlético-MG deu descanso aos seus titulares no fim de semana, quando derrotou a Chapecoense por 2 a 1, com o gol da vitória sendo marcado aos 53 minutos do segundo tempo, um resultado que ajudou a recuperar um pouco o moral do elenco.

O técnico Rodrigo Santana deve mexer na formação titular para surpreender o Cruzeiro, sendo a entrada de Otero no setor ofensivo a mudança mais provável, especialmente pelo poderio do venezuelano nas jogadas de bola parada e em chutes de longe, algo que pode ser importante contra um rival que deve atuar retrancado.

"A gente precisa fazer a nossa parte, com muita atenção, com concentração, vontade de vencer e de virar essa decisão. O placar foi muito elástico, mas está em aberto. Se a gente ainda tem esses últimos 90 minutos, vai lutar até o final para procurar reverter", prometeu Rodrigo Santana, contando com o apoio vindo das arquibancadas, que estarão lotadas, pois os ingressos se esgotaram antecipadamente.

Campeão da Copa do Brasil de 2014 em decisão contra o Cruzeiro, o Atlético também se inspira naquela campanha para bater novamente o rival. Está na sua memória as viradas sobre Corinthians e Flamengo, nas quartas e semifinais, quando perdeu o duelo de ida por 2 a 0 e ainda sofreu o primeiro gol nos confrontos de volta para depois triunfar por 4 a 1.

Visitante nesta quarta no Independência, o Cruzeiro entrará em campo com a classificação às semifinais encaminhada e ainda contando com a sua tradição copeira no torneio. Afinal, é o atual bicampeão da Copa do Brasil. E está prestes a avançar à quarta semifinal consecutiva.

Não à toa esse desempenho foi conquistado sob o comando de Mano Menezes, que iniciou no segundo semestre de 2016 a sua segunda passagem pelo clube. E tendo o sistema defensivo seguro como principal virtude para essas conquistas. Assim, podendo perder por até dois gols de diferença, precisará fazer apenas mais do mesmo.

Classificar à semifinal da Copa do Brasil também terá outro aspecto especial para o Cruzeiro, pois o time passou pelo rival em outro mata-mata nesta temporada, na decisão do Campeonato Mineiro, repetindo o que havia conseguido em 2018.

Além disso, a premiação milionária por passar de fase ganha mais importância em um cenário de crise financeira e administrativa no clube. E também há o aspecto técnico, com a possibilidade de vencer uma competição nacional em 2019, o que tem se tornado improvável no Campeonato Brasileiro, pela desvantagem de 17 pontos para o líder Palmeiras, com o clube ameaçado de rebaixamento.

Após surpreender com a escalação de Pedro Rocha no Mineirão, tendo êxito, Mano, que adotou uma estratégia diferente do utilizada pelo Atlético no fim de semana e não poupou os titulares no 0 a 0 com o Botafogo, deverá repetir a formação do primeiro confronto. A presença do atacante, inclusive, é importante para dar mais velocidade ao setor ofensivo, o que pode ser estratégico para a busca por incomodar a defesa atleticana em contra-ataques e sacramentar a classificação às semifinais da Copa do Brasil.

"A gente já é bem vacinado sobre tudo que envolve. Agora, se invertem os papéis: vai haver um número bastante grande de opiniões que dão favoritismo ao Cruzeiro, e a gente conhece futebol, sabe do potencial dos clubes, sabe sobre tudo que está envolvido, para não acreditar em favoritismo antes da hora", alertou Mano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.