Porto é campeão Intercontinental

O Porto conquistou o título da Copa Intercontinental ao vencer, nos pênaltis, o Once Caldas por 8 a 7, neste domingo no Estádio Yokohama, no Japão, depois de empate por 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação. A cobrança do gol do título foi de Pedro Emanuel. Foi o segundo título mundial da equipe portuguesa, que já havia conquistado o troféu em 1987. Acabou sendo a vingança de Luis Fabiano (ex-São Paulo) e Diego (ex-Santos), que perderam do Once Caldas na Taça Libertadores.Maniche, que perdeu uma cobrança, foi eleito o melhor do jogo e por isso ganhou o carro oferecido pela Toyota, patrocinadora da competição, que a partir do ano que vem terá outro formato. A Fifa determinou a volta do Mundial de Clubes, com a participação do campeão de cada confederação. A disputa de 2005 está prevista para o Japão.O Porto de Diego, Luís Fabiano, Derlei Carlos Alberto dominou a partida e os jogadores do time colombiano parecem ter sentido mais a baixa temporada do que os brasileiros do time adversário. Luís Fabiano chegou a mandar uma bola na trave aos 18 minutos. Antes o atacante sul-africano McCarthy teve um gol anulado em um impedimento duvidoso. Antes do final do primeiro tempo, Diego e Derlei também quase marcaram.Na segunda etapa o Porto continuou mandando no jogo. McCarthy acertou a trave aos 21 minutos e Costinha quase marcou, de cabeça, minutos depois. O Once Caldas demonstrava que queria levar mesmo levar o jogo para os pênaltis, onde se deu bem na final da Taça Libertadores da América, contra o Boca Juniors. No final da partida, o goleiro Henao salvou gol certo numa finalização de McCarth.Nos pênaltis, Diego foi expulso depois de converter sua cobrança, por ironizar o goleiro, que havia feito uma provocação antes da cobrança. Depois de Garcia perder a nona cobrança do Once Caldas, Emanuel bateu para fazer a festa do Porto: 8 a 7.Diego admitiu ter errado ao reagir à provocação do goleiro: ?Perdi a cabeça, mas acho que não deveria ser expulso sozinho. Quem brigou comigo também deveria ser. Mas se o goleiro recebesse o cartão vermelho, o jogo terminaria e isso não poderia acontecer em um Mundial?, tentou explicar o ex-santista.Enquanto a torcida fazia a festa no Porto, Luís Fabiano comemorava com discrição. Ele lamentou ter sido substituído no segundo tempo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.